Pecuária

Mais lucro com a bezerrada

Negócio tornou-se um dos mais atrativos investimentos dentro da exploração da bovinocultura de corte

Sistema de creep-feeding busca compensar a defasagem entre a oferta de leite da vaca e a necessidade de nutrientes do bezerro
Produzir bezerros de corte, de qualidade, se tornou um dos mais atrativos investimentos dentro da exploração da bovinocultura de corte. Deste modo, os produtores que estão iniciando nesta atividade devem se ater as primordiais etapas de trabalhos, necessárias para organizar da melhor maneira possível a exploração do rebanho de cria, existente na propriedade e dar ênfase aos parâmetros zootécnicos que irão nortear o sucesso da atividade em questão.

Dois são os principais parâmetros zootécnicos que influenciarão no sucesso da pecuária de cria, são eles o número de bezerros desmamados e o peso médio à desmama.

O número de bezerros desmamados depende de vários fatores como: o número de vacas que conseguiram desmamar suas crias, e para isso não poderá haver perdas durante a gestação, nascimento ou pós nascimento; vacas que não emprenharam devido a problemas de saúde do rebanho e/ou problemas reprodutivos; vacas que não receberam um suprimento alimentar (minerais, vitaminas, proteína e energia) condizente com sua necessidade orgânica; e touros com baixa fertilidade seminal, ou que não possuem capacidade para o acasalamento.

O peso médio à desmama será influenciado por dois fatores: idade em que os bezerros são desmamados; e ganho de peso diário à partir do nascimento, influenciado pelo potencial genético para o crescimento, uso de promotores de crescimento, saúde do bezerro, produção de leite da vaca, e suplementação alimentar do bezerro.

Assim deverão ser procedidas, inicialmente, e mantidas posteriormente a avaliação e seleção dos animais, com possíveis descartes de vacas improdutivas e, também, de touros sub-férteis. A seleção de vacas será feita através de avaliação ginecológica, peso e tipo racial. A seleção a ser realizada nos reprodutores deverá ser feita por intermédio de exame andrológico (sêmen), perímetro escrotal, progênie existente entre outras. A aquisição de matrizes férteis, ficará sempre em função da evolução do rebanho atual. 

A mineralização correta dos animais constitui um fator fundamental na alimentação, pois, é de extrema importância para o estado nutricional do rebanho e, principalmente, por ter influência direta na fertilidade dos animais de reprodução. Para os animais de reprodução deverá ser fornecida uma mistura mineral que contenha um nível de 8-9 % de fósforo (nível mínimo). Já para os bezerros o ideal será utilizar sistema de creep-feeding (técnica de suplementação dos bezerros ao pé da vaca, com um cercado onde só os bezerros têm acesso) viabilizando assim um bezerro que será desmamado mais pesado e permitir, ao mesmo tempo, que a vaca na época do desmame esteja em boas condições corporais. Ao se utilizar o sistema de creep-feeding busca-se compensar a defasagem entre a oferta de leite da vaca e a necessidade de nutrientes do bezerro. E além disso, transforma o bezerro de lactante para ruminante mais rapidamente, fazendo com que o bezerro possa aproveitar melhor a pastagem e ficar cada vez menos dependente do leite, conseguindo também que se desmame aos 7 meses de idade bezerros com peso médio de 240 kg, dependendo do cruzamento genético utilizado.

Um aspecto muito importante é a quantidade e a qualidade da forragem pastejada pelas vacas com bezerro ao pé, entre o período do nascimento até o 4º mês de vida do bezerro, pois, é neste este período que as vacas estão com uma produção de leite mais elevada, coincidindo com a época em que os bezerros apresentam grande crescimento.

E quanto ao aspecto sanitário do bezerro, deve-se estipular um cronograma de controle quanto a doenças infecto-contagiosas, verminoses e ectoparasitas. Deste modo, ao nascer o bezerro deve ter o seu umbigo queimado com iodo, e receber uma dose de endectocida, posteriormente após 30 dias receber 2ª dose de endectocida de longa duração e aos 3 meses de idade receber a 1ª dose de vacina contra Clostridioses e 30 dias após 2ª dose reforço, o mesmo procedimento deverá ser realizado para a prevenção da Pasteurelose. Após estes procedimentos o bezerro deve ser incluído no controle sanitário normal do rebanho, o qual inclui as vacinações para Febre Aftosa.

Seguindo os procedimentos básicos de manejo, o produtor estará aumentando a produtividade de suas matrizes e conseqüentemente aumentando a produção e a lucratividade de sua propriedade, observada através da quantidade de arrobas de bezerros desmamados por ano em relação ao número de vacas existentes no rebanho.

Hérico Alexandre Rossetto, médico veterinário Detec - Campo Mourão



Suíno mais magro

O suíno já não é tão gordo como ainda se imagina. Nas últimas duas décadas, o animal perdeu 30% de sua gordura corporal e conseguiu reduzir o nível de colesterol e a quantidade de calorias em vários cortes, graças ao constante melhoramento genético e à sua nutrição balanceada. Por meio do aprimoramento dessas técnicas, a espessura do toucinho do suíno hoje é de 1,5 cm. Antes, essa medida era de 6 cm.

De acordo com o Instituto de tecnologia de Alimentos (Ital), em uma porção de 100 gramas de lombo cozido (ou duas fatias) há 6 gramas de gordura, 69 miligramas de colesterol e 165 calorias.

Já 100 gramas de um filé mignon bovino tem 78 miligramas de colesterol e 164 calorias. Uma coxa grande de frango tem 9 gramas de gordura, 81 miligramas de colesterol e 178 calorias.

Além dessas reduções espetaculares, a carne suína ainda é rica em proteínas, ferro e vitaminas. Boas pedidas para incluir em seu cardápio, e sem culpas e preocupações, são os cortes suínos como a bisteca, o lombo, o patinho, a alcatra, filezinho, coxão de dentro e de fora.

Fonte: Suinocultura Industrial