Safra


Pacote tecnológico

Cosconeto, da Coamo
Como indicar o melhor pacote tecnológico para que o agricultor obtenha o máximo do potencial dos materiais disponibilizados atualmente para a produção agrícola? Para responder esta questão, o engenheiro agrônomo Nei Leocádio Cesconetto, gerente de Assistência Técnica da Coamo, utilizou apenas uma frase: "conhecendo o solo é possível indicar a melhor tecnologia".

Sem dúvida, a base do processo produtivo está no solo. É o primeiro passo para uma orientação técnica bem feita e, conseqüentemente, uma alta produtividade. 
"Com o plantio direto e a rotação de culturas, a palha com matéria orgânica fica na camada de 5 centímetros do solo. Assim, há melhor condição do aspecto físico do solo, permitindo uma maior drenagem da água e aprofundamento da raiz, que é a boca da planta", explica.

Na Fazenda Experimental da Coamo são testadas todas as tecnologias. E é com base nos resultados dos experimentos que os agricultores definem todas as técnicas e os produtos que vão utilizar em cada safra. "São, pelo menos, 10 anos de pesquisa para se conseguir uma semente adequada às necessidades da região", considera Cesconetto. "O clima e o solo vão mudando, doenças novas vão aparecendo e também há as exigências de mercado quanto a qualidade. Então, a oferta de novas variedades também muda", completa.

 

POUPANDO O SOLO

A fertilidade do solo é encarada pelo produtor como processo básico para a ampliação da produtividade na propriedade. "De nada adianta a pesquisa lançar um material com alto potencial de produção se você não dá condições para ele se desenvolver", comparou o engenheiro agrônomo Edson Feliciano de Oliveira, pesquisador da área de fertilidade do solo da Coodetec - Cooperativa de Desenvolvimento Tecnológico e Econômico Ltda. "O ganho genético do material fica em torno de 5%, enquanto que a fertilidade pode aumentar a produção em até 50%", afirmou. O detalhe, segundo ele, está na análise de solo bem feita e na colocação de elementos na quantidade equilibrada para a produtividade.

"É como poupar o solo. Se você somente retirar vai ver o fundo dele rapidinho", orientou. O pesquisador da Coodetec ainda chamou a atenção para que o agricultor não deixe o trabalho corretivo para a última hora. "Se o produtor fizer apenas retiradas chegará um tempo em que ele não vai mais conseguir recuperar o solo. Mas se o produtor está preocupado e sempre atento vai chegar a um ponto que ao invés dele jogar mil quilos de adubo por alqueire irá jogar apenas 500 a 600 quilos, somente com o equilíbrio da fertilidade do solo. Vai acabar reduzindo ainda mais o custo, ganhando mais em produção", concluiu.