Agromercado     




Maratona da informação

DIRETORIA DA COAMO INICIA REUNIÕES DE CAMPO DO SEGUNDO SEMESTRE. SERÃO REALIZADOS 40 ENCONTROS

Na era do conhecimento a informação é um insumo essencial. Quem estiver melhor preparado certamente estará à frente do mercado. Pesando assim, em mais um trabalho de educação cooperativista, a diretoria da coamo iniciou no dia 29 de agosto mais uma maratona das tradicionais Reuniões de Campo. O evento é promovido todos os anos, sempre no início e final de cada safra. A proposta é levar informações aos cooperados que possam auxiliá-los na tomada de decisões durante a condução dos seus negócios.
O presidente da Coamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, fará explanação sobre comercialização, produtividades, custos diretos de produção, seguro agrícola e também as novidades anunciadas pelo governo, além de uma projeção para a próxima safra e a avaliação detalhada dos números da safra de verão.

As reuniões de campo da Coamo são importantes elos de ligação entre a diretoria e os cooperados, e também fonte de informação. Neste segundo semestre serão 40 reuniões em toda área de ação da cooperativa no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, com média de 3,5 reuniões por dia.

Agroanálises
 SOJA
Com a volta das chuvas nas lavouras americanas, aparentemente tudo voltou ao normal e no último relatório do USDA, do dia 12 de agosto, foi reportado como previsão de colheita 75,96 milhões de toneladas, o que já era esperado pelo mercado.
 MILHO
Persiste a oferta de forma abundante em função da colheita da safrinha, o que, não deixa o mercado evoluir. Os compradores continuam afastados e não demonstram ter pressa para comprar.
 CAFÉ
Os boatos de que a safra brasileira 2005/2006 seria perto de 30 milhões de sacas geraram compras especulativas no final do mês de julho. No entanto, a CONAB acabou divulgando uma safra de mais de 33 milhões de sacas, o que decepcionou o mercado e provocou uma baixa aos níveis de preços. Os estoques nos Estados Unidos que estavam em níveis elevados, ainda aumentaram para 6 milhões de sacas no mês de agosto. Dessa maneira, fora o clima, somente uma redução substancial no ritmo de embarques na exportação, retratando uma redução na oferta por parte dos produtores, pode gerar uma alta mais significativa nos preços..
 ALGODÃO
Em praticamente nada mudou o mercado, conforme descrito na edição anterior deste jornal, o mercado internacional continua estável diante do equilibrado quadro de oferta e demanda mundial, não se vislumbrando algo no curto prazo que possa contribuir para uma mudança neste panorama, cujo reflexo vem sendo presenciado no mercado interno já faz algum tempo, cujas cotações caíram para valores muito abaixo do preço mínimo. Nos últimos sessenta dias o mercado interno tem apresentado sucessivas oscilações, tanto para cima quanto para baixo, o mercado apresenta sinais de melhoras e os produtores, principalmente de Goiás, Bahia e Mato Grosso, seguram as vendas e o mercado sobe ainda mais, no entanto chega em um momento em que todos precisam vender para cumprir com seus compromissos financeiros e o comprador ao perceber um volume maior de oferta simplesmente diminui o ritmo das compras, fazendo com que as cotações recuem. Por outro lado a situação das indústrias de fiação não está muito confortável, há dificuldades nas vendas do fio e as margens, quando existem, estão muito apertadas, consequentemente isto refletirá negativamente na comercialização da pluma por parte dos cotonicultores
 TRIGO
Mercado internacional sem novidades e estabilizado diante do atual quadro de oferta e demanda, com exceção da Argentina que após vender grande parte de seu excedente de produção a preços baixos nos meses de janeiro e fevereiro, elevou a cotação do seu produto a US$ 150,00 por tonelada posto sobre navio nos portos daquele país. No entanto nos últimos trinta dias esta cotação recuou para os atuais US$ 140,00 e a safra nova para embarque novembro/dezembro já está sendo negociada ao preço de US$ 128,00 e com uma possibilidade de recuar para os preços históricos de US$ 110,00 a US$ 120,00, caso o Brasil e a Argentina colham uma boa safra. Quanto ao mercado interno, após muitos anos voltamos a registrar estoque de passagem, ou seja, estamos começando a colheita da safra 2005 e ainda não terminamos a comercialização da safra 2004, tornando assim o mercado muito bem suprido de matéria prima, não tendo as indústrias de moagem que se preocuparem em trabalhar com altos estoques, cuja tendência será comprarem conforme a necessidade de moagem e qualquer pressão de venda por parte dos produtores se refletirá em quedas de preços. Diante desse quadro estamos através da OCEPAR – Organização das Cooperativas do Estado do Paraná buscando a intervenção do Governo Federal no mercado com mecanismos que possibilitem a comercialização da safra dentro do preço mínimo, já que se depender do mercado, considerando o que poderá acontecer com a cotação do produto argentino (conforme descrito acima) e o atual valor do real frente ao dólar, há de se esperar uma comercialização lenta e a preços muito abaixo do mínimo de referência estabelecido pelo Governo Federal.

 

Indicadores Econômicos

VARIAÇÕES mar/05 abrr/05 mai/05 jun/05 jul/05 Acumulado
Período
Acumulado
12 meses
IGPM (% AO MÊS) 0,85%
0,86%
-0,22%
-0,44%
-0,34%
1,01%
5,37%
TR (% AO MÊS) 0,26%
0,20% 0,25%
0,30%
0,26%
1,38%
2,42%
DÓLAR COMERCIAL (%AO MÊS) 2,74% -5,06%
-5,04%
-2,22%
1,71%
-8,93% -20,64%
TJLP (% AO MÊS) 9,75%
9,75%
9,75%
9,75%
9,75%
   
SOJA 20,34%
8,77%
5,56%
13,57%
15,38%
81,06%
163,70%
MILHO 25,93%
13,33%
0,67%
5,44%
3,33%
56,54%
120,32%
ALGODÃO 0,00%
0,00%
0,00%
0,00%
0,00%
0,00% 0,00%
TRIGO (PH 78) 18,28% 0,00% 4,76% 0,00% 0,00% 23,91% 38,56%

Poder de Troca mês a mês

MÁQUINAS/
INSUMOS X PRODUTOS

mar/05
abr/05
mai/05
jun/05 jul/05 MÉDIA
 DO
 PERIODO
MÉDIA ULT.
12 MESES
TRATOR NEW HOLLAND TM-135 - 125 CV (COMPLETO)
SOJA 5.538
6.050 6.486 4.281 4.429
5.357
5.344
MILHO 11.803
11.250 11.921 8.477 8.393
10.369
11.743
ALGODÃO (TIPO 6) 12.000 13.433 13.433 9.552 6.564
10.996
11.285

TRIGO (PH 78)

8.867 8.182 8.372 6.564 9.552 8.307 7.915
COLHEITADEIRA NEW HOLLAND TC 57 (COMPLETA)
SOJA 11.692
12.773 13.694 12.040 12.457
12.531
11.755
MILHO 24.918
23.750 25.166 23.841 23.607
24.256
25.706
ALGODÃO (TIPO 6) 25.333
28.358 28.358 26.866 18.462
25.475
24.736
TRIGO (PH 78) 18.719 17.273 17.674 18.462 26.866 19.799 17.585
PLANTADEIRA PSE 8 2S (COM CÂMBIO)
SOJA 1.269
1.387 1.486 1.380
1.427
1.390
1.337
MILHO 2.705
2.578 2.732 2.732 2.705
2.690
2.928
ALGODÃO (TIPO 6) 2.750
3.078 3.078 3.078 3.078
3.013
2.887
TRIGO (PH 78) 2.032 1.875 1.919 2.115 2.115 2.011 1.926
PULVERIZADOR COLUMBIA MAXTER FLOW
SOJA

1.062

1.160 1.257 1.239 1.282
1.200
1.079
MILHO 2.262
2.156 2.310 2.453 2.429
2.322
2.351
ALGODÃO (TIPO 6) 2.300
2.575 2.603 2.764 2.764
2.601
2.326
TRIGO (PH 78) 1.699 1.568 1.622 1.899 1.899 1.738 1.555
CALCÁRIO
SOJA 2 2 2 2 2 2 2
MILHO 3 3 3 3 3 3 3
ALGODÃO (TIPO 6) 3 4 4 4 4 3 3
TRIGO(PH 78) 3 2 2 2 2 2 2
Para o cálculo da pariedade dos produtos X máquinas e insumos foram utilizados os preços praticados no último dia do mês.

 Página Inicial   Índice Geral
s