Pioneirismo    



Educação cinqüentenária

COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO COMEMORA MEIO SÉCULO NA FORMAÇÃO DE PESSOAS

O Colégio Estadual Prof. João de Oliveira Gomes, mais conhecido como Colégio Estadual, de Campo Mourão, completa o seu cinqüentenário neste mês de agosto. O estabelecimento foi uma das primeiras instituições de ensino da cidade a oferecer o “ginásio”, que atualmente é chamado de ensino fundamental. Devido a isso, atraiu muitas pessoas da região, que antes tinham que enviar os filhos para centros maiores para concluírem os estudos.

O professor Ephigênio José Carneiro, catarinense de nascimento e mourãoense de coração, que recebeu em agosto o título de Cidadão Benemérito de Campo Mourão, é o fundador do colégio. Em 29 de julho de 1955, a convite do pai que residia em Campo Mourão, Bonifácio Paes Carneiro, mudou-se para o município, para fundar escolas. “Meu pai me chamou para vir fundar escolas, já que o município precisava de instituições de ensino. Esse foi o objetivo da mudança para cá”. Na época, o município precisava desenvolver o comércio, para isso, o professor fundou a Escola Técnica do Comércio Santo Inácio. Além disso, a população precisava de um ginásio, que facilitasse os estudos dos jovens. Então, em 1º de agosto de 1955 foi fundado o Ginásio Campo Mourão, primeiro nome do atual Colégio Estadual Professor João de Oliveira Gomes.

A primeira construção do Ginásio foi em madeira e tinha cinco salas de aula, biblioteca, laboratório, secretaria e diretoria. O fundador conta que a principal dificuldade para montar a escola foi a falta de professores capacitados para atuarem. “Não tinha professor aqui. Então eu contei com advogados, engenheiros agrônomos e dentistas, para compor o quadro docente”, afirma.

Mas, apesar das dificuldades, o ginásio foi bem aceito pela comunidade, o que facilitou a construção. “Devido à falta de recursos financeiros, no começo foi feito um sistema de colaboração. O cidadão colaborava com um tanto e eu dava uma nota promissória, assumindo aquela dívida, depois fomos pagando até concluir. Além disso, como se tratava de uma escola, muitas madeireiras fizeram doações”, conta Carneiro.

Além do ginásio, Carneiro participou da fundação de diversas instituições da cidade, como o Mini ginásio 10 de outubro, Ginásio Botelho Mourão, Lions Clube de Campo Mourão e a faculdade do município, que na época era chamada de Fundescam (Fundação de Ensino Superior de Campo Mourão). Apesar de tantas realizações, o professor se arrepende de não ter participado de uma. “Na nossa gestão de vereador, nos foi apresentada a idéia do surgimento da Coamo. Eu me arrependo de não ter entrado como fundador da cooperativa, já que era agricultor. Mas eu sou o associado 150, não estou tão longe”, diz.

Vários nomes – Em 1960, o estabelecimento foi estadualizado e passou a se chamar Ginásio Estadual de Campo Mourão. Em 1963, o professor Ephigênio José Carneiro deixou a direção do ginásio e dois anos depois, foi autorizada a implantação do 2º ciclo (ensino médio), passando a se chamar Colégio Estadual de Campo Mourão. Em 1975, a fusão do Colégio Estadual de Campo Mourão com o Colégio Estadual Comercial de Campo Mourão e a Escola Normal Colegial Estadual Prof. João de Oliveira Gomes formou um único estabelecimento denominado Colégio Prof. João de Oliveira Gomes. Juntamente com o Grupo Escolar Dom Bosco do Lar Paraná, o colégio formava o Complexo Escolar Dr. Horácio Amaral, de 1º e 2º ciclos.

E, atualmente o Colégio Estadual João de Oliveira Gomes é um dos maiores do estado do Paraná, formando mais de 250 alunos por ano. Segundo a atual diretora, Nair Labiak Evangelista, a instituição conta com mais de mil e quatrocentos alunos e mais de cem funcionários. E além do espaço físico, com biblioteca, laboratórios de informática, química, física, biologia e quadra esportivas, oferece projetos extensivos à comunidade na área de educação especial, com o curso de espanhol, fanfarra recentemente reativada, projetos de meio ambiente, esporte e cultura. “O próximo passo da história do colégio será voltar ao nome de ‘Colégio Estadual de Campo Mourão’, que é como ele é mais conhecido pela comunidade”, afirma a diretora.

Para comemorar o cinqüentenário, desde o 2º semestre do ano passado são promovidas atividades que integram o colégio e a comunidade. Recentemente foi realizado concurso para escolha do hino da instituição, sessão cívica com autoridades e fanfarra do colégio, além de jantar dançante com a presença de parte dos ex-diretores do colégio.

Diretores da história do colégio
Ephigênio José Carneiro
Eghidio Martello
Nicon Kopco
Ivone Braska
Agenor Krul
Hilda Brenner Dessoti
Tamara Hodniuk Zaleski
Joani Teixeira
Agenor Krul
Toyomi Fukase Marubayashi
Maria amélia L. Evangelista
Nair Labiak Evangelista
Joani Teixeira
Jorge Antonio Simoneli
Nair Labiak Evangelista
1957 - 1963
03/1963 - 03/1972
04/1972 - 05/1973
07/1973 - 07/1974
07/1974 - 05/1976
05/1976 - 1978
1979 - 1984
1985-1987
1988-1989
1990-1994
01/1995-07/1995
07/1995-12/1995
01/1996-1999
2000-2001
2002 até atualmente
Fonte: Livro “Campo Mourão – Centro do Progresso”, de Pedro da Veiga

 


 Página Inicial   Índice Geral