Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 375 | Agosto de 2008 | Campo Mourão - Paraná

Gerenciamento

Gestão dos resultados

De olho nas receitas e despesas da propriedade e da casa, cooperado de Amambai aplica mais eficiência com o programa Na Ponta do Lápis

O dia-a-dia do cooperado Marcos Aurélio Alves Ferreira, de Amambai, no Sul do Mato Grosso do Sul, não é mais o mesmo. Depois que ele trouxe para dentro da casa dele os conceitos do gerenciamento rural, percebeu uma nova realidade na gestão dos negócios e da família. A novidade foi incorporada à vida dos Ferreira há pouco mais de um ano e já apresenta resultados importantes na mudança do comportamento de todos os membros da família, na busca por mais eficiência na condução das atividades na propriedade e na definição de como e onde aplicar os recursos gerados a partir do trabalho.

Dentro e fora da porteira – A ferramenta utilizada pelo cooperado é o “Na Ponta do Lápis”, criado pela Coamo para auxiliar os agricultores no gerenciamento rural. Através do programa, Ferreira tem uma visão detalhada dos negócios, dentro e fora da porteira. O comportamento familiar com as receitas e despesas da casa é outro fator que pode fazer diferença no orçamento geral de cada ano. “Confesso que a gestão dos negócios na propriedade e dentro de casa não era tão intensa e freqüente. Tínhamos uma idéia dos custos e dos resultados, mas nada que fosse muito eficiente”, lembra o cooperado, que atendeu a reportagem do Jornal Coamo ao lado da esposa dele, Rosa Maria. A forma de pensar os negócios e gerenciar os investimentos e os resultados gerados pelas atividades foi a grande mudança na vida da família Ferreira. “Gerir é muito mais do que acompanhar. É preciso manter o foco nos resultados e não descuidar em nenhum momento, seja no sítio ou dentro de casa”, revela o produtor.

Tradição de anotar – Para a dona Rosa Maria, sempre muito detalhista e dedicada, as anotações, necessárias para a alimentação do programa, não foram novidade. Isto porque esta já era uma prática comum na rotina diária da casa os Ferreira. “Há dez anos venho anotando todas as despesas da casa. Então não tivemos muitas surpresas com os resultados planilhados pelo programa”, afirma. O casal confessa que ainda não conseguiu reduzir as despesas, mas já sabem onde e o que precisam fazer para melhorar a aplicação dos recursos, dentro de casa e na propriedade. “Com as informações geradas pelo programa temos condições de tomar decisões mais conscientes”.

Participação dos filhos – A interação familiar é fundamental para o sucesso do “Na Ponta do Lápis”. E isso, de fato, aconteceu com os Ferreira. O cooperado conta que sempre orientou os dois filhos com a gestão dos recursos da família. “Eles estudam fora e já administram o dia-a-dia de cada um como se estivessem em casa. É tudo uma questão de hábito, e que se aprende dentro da família”, enfatiza Ferreira.

Agricultura e pecuária – O cooperado Marcos Ferreira vai comparar os resultados deste primeiro ano de anotações dentro do “Na Ponta do Lápis”, com as planilhas que serão geradas ao final do próximo verão. “Assim, vamos ter uma noção maior do que realmente significará o programa para a nossa realidade”, garante o produtor, que possui 500 hectares de área de cultivo, onde planta soja e milho no verão e milho safrinha no inverno. Ele também mantém uma área de pastagem, onde engorda cerca de 100 cabeças de bovinos por ano.

A produtividade média das lavouras de Ferreira, tomando por base os últimos três anos, é de 145 sacas por alqueire de soja; 340 de milho verão e 200 sacas de milho safrinha por alqueire.