Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 386 | Agosto de 2009 | Campo Mourão - Paraná

Encontro de Inverno

Para uma melhor produção no inverno

Cooperados conferem, na Fazenda Experimental Coamo, alternativas rentáveis e sustentáveis para a produção durante o período

As novidades tecnológicas voltadas para a produção de grãos e carne durante o período de inverno foram mostradas, em todos os seus detalhes, aos associados da Coamo, durante a terceira edição do Encontro de Inverno. O evento, realizado nos dias 21 e 22 de julho, foi promovido pela Fazenda Experimental da co-operativa, que ocupa uma área de 170 hectares destinada à pesquisa agrícola e pecuária em Campo Mourão, na região Centro-Oeste do Paraná. Setecentos cooperados, representando todas as regiões da área de ação da Coamo, participaram do encontro.

O diretor vice-presidente da Coamo, Cláudio Francisco Bianchi Rizzatto, abriu o encontro. Ele agradeceu a presença dos associados e lembrou que o objetivo da cooperativa, com o projeto de difusão de tecnologias, é direcionar as novidades ao quadro social, buscando uma maior rentabilidade com as atividades conduzidas dentro da propriedade. “São informações que fazem diferença no dia-a-dia do produtor rural e que chegam sempre antes para os nossos cooperados”, afirma Rizzatto.

Na Coamo, os dias de campo são realizados o ano inteiro nas propriedades dos associados, nas regiões da área de ação da cooperativa. E a Fazenda Experimental promove seus encontros em duas oportunidades: no verão e no inverno. “A partir destes eventos, transferimos de imediato os resultados das pesquisas oficiais. Assim, as novas práticas são rapidamente implantadas pelos agricultores em suas propriedades”, assegura o agrônomo Joaquim Mariano Costa, responsável técnico da unidade demonstrativa da Coamo e coordenador geral dos encontros.

DESAFIOS – Diante da demanda por novas informações dos produtores rurais, todos os anos os desafios dos encontros técnicos da Coamo são maiores. Neste ano, durante o Encontro de Inverno, os associados tiveram o contato com dezenas pesquisadores dos órgãos oficiais de pesquisa, além dos agrônomos da Coamo, e acompanharam as novidades em seis grandes temas apresentados pela Fazenda Coamo: o consórcio de pastagem perene de verão com forrageiras de inverno; o manejo de plantas invasoras em pastagens; os híbridos de milho recomendados para o cultivo na safrinha; a dinâmica e manejo das máquinas de ordenha; as espécies para cobertura vegetal durante o período de inverno; e a importância das coberturas de inverno no sistema de produção agrícola.

Além das visitas às estações, os cooperados também conferiram a exposição de máquinas e equipa-mentos, através das empresas Baldan, Semeato, Gerdau, Jacto, ZM Bombas, Cremasco, Sthill e AJJ Metalúrgica.

Opções para a lavoura e a pecuária

Os temas abordados no Encontro de Inverno 2009 mostraram alternativas que a pesquisa oficial oferece para a produção no ano inteiro, com a lavoura e a pecuária. Entre as novidades apresentadas nas estações, destaque para o controle de plantas invasoras em pastagens. O problema pode baixar a produção do pasto em até 80%, em casos de alta infestação. Os cooperados tiveram informações sobre os meios efetivos de controle, além de conhecerem os 30 tipos de plantas existentes na região, sendo as mais comuns o assa-peixe, a lantana, a guanxuma, o leiteiro, a berneira, o arranha-gato, a gioabeira e limoeiro. A estação foi conduzida em parceria com a Pfizer.

ORDENHA – Em parceria com a Intermaq foi demonstrada a dinâmica e o manejo do sistema de ordenha a ser adotado nas propriedades, além de exemplificados os benefícios sanitários e produtivos quando se realiza o trabalho corretamente. Os cooperados também observaram o desempenho de uma ordenhadeira canalizada, com equipamentos de alta perfomance, que contribui para o maior rendimento do trabalho.

SAFRINHA – O portifólio de híbridos para o cultivo do milho safrinha na região de atuação da Coamo, também foi apresentado aos cooperados durante o encontro. A estação demonstrou o comportamento de 28 materiais, de várias empresas parceiras.

ROTAÇÃO DE CULTURAS – Em outra estação, foram mostradas as opções de lavouras de inverno recomendadas para uma sequência de plantio em rotação de culturas. Este é um trabalho desenvolvido pela Fazenda Experimental da Coamo há dezenas de anos, sendo um dos mais antigos do Brasil e referência para a sustentabilidade da produção. Entre as alternativas está o nabo forrageiro, a ervilhaca, a aveia preta, o tremosso, o trigo e milho safrinha.

ADUBAÇÃO DE SISTEMA – Os cooperados também acompanharam um trabalho orientado para a adubação de sistema, que busca a rentabilidade de todas as culturas plantadas no ciclo agrícola dentro da propriedade. A estação mostrou alternativas de coberturas para o solo durante o período de inverno, levando em conta as condições de clima e solo das regiões da área de ação da cooperativa. As opções apresentadas foram: aveia preta solteira; consórcio de aveia preta e azevém; brachiária ruzizienses solteira; milho safrinha; consórcio de milho safrinha e aveia preta; e milho safrinha com brachiária ruzizienses, plantados de três formas diferentes. A ideia do trabalho foi mostrar qual opção é mais vantajosa para o sistema de produção, especialmente para as áreas mais quentes, levando em conta a cultura de inverno, que pode ser econômica ou não, e os resultados da cultura de verão. O projeto foi iniciado neste ano e vai ser mostrado em outras edições dos encontros de inverno e verão.

Fala Cooperado:

Otimizando o pasto de verão

Cultivo de aveia e azevém sobre a pastagem perene garante maior aproveitamento da propriedade

A novidade do Encontro de Inverno deste ano ficou por conta do cultivo consorciado de aveia e azevém – forrageiras de inverno, sobre a pastagem perene de verão. A tecnologia, que já vem sendo adotada com sucesso em algumas propriedades da região de atuação da cooperativa, foi desenvolvida através de uma parceria entre a Coamo e o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). Na prática, o esquema permite uma maior otimização da área de pastoreio implantada na propriedade, garantindo, na mesma área, ali-mento de qualidade para os animais tanto no verão quanto no inverno.

ADUBO NO SISTEMA – “A sobre-semeadura da aveia e o azevém na área do pasto perene de verão é uma alternativa viável em todas as propriedades, sobretudo nas regiões onde o inverno é mais frio e úmido”, garante o agrônomo Marcelo Sumyia, do Departamento Técnico da Coamo (Detec) em Roncador, no Centro-Oeste paranaense. O técnico revela que o consórcio não chega a comprometer o pasto, já que a rebrota, após o inverno, acontece de forma natural. Os animais, seja no sistema de corte ou de leite, têm comida de qualidade o ano inteiro, na mesma área, com alto teor de proteína, em razão do manejo de inverno e da adubação de base e de cobertura feita sobre a área. “É uma fertilização antecipada, focada no sistema de produção como um todo. O adubo, disponibilizado na hora certa, é utilizado pelas forrageiras de inverno e pelo pasto de verão”, afirma Marcelo Sumyia.

IDEAL PARA GRAMAS – A alternativa é ideal para ser adotada em áreas formadas por plantas de hábito rasteiro, como as gramas, por exemplo. O plantio da aveia e do azevém é feito em sistema direto. O produtor pode fazer uma roçada prévia ou manejar a área com herbicidas, para favorecer a instalação das forrageiras de inverno. “O ideal é fazer semeadura no outono – em meados ou final de maio -, quando o pasto de verão já praticamente estacionou em produção”, orienta o veterinário Alcides Kintaro Mitsuka, do Detec da Coamo em Roncador. Ele diz que a utilização da técnica permite uma maior rentabilidade na propriedade. “Hoje, o cálculo de rentabilidade é feito sobre a produção por área. E como o maior aproveitamento do pasto, a possibilidade de ganho é ampliada, já que o resultado também aparece nos meses em que a área ficava parada, por causa do inverno”, salienta Mitsuka.

O veterinário da Coamo assegura que não há competição entre as duas forrageiras, porque o crescimento vegetativo acontece em épocas diferentes. No entanto, ele orienta que a entrada dos animais para o pastoreio, após o plantio das forrageiras de inverno, deve ser feita apenas quando a pastagem estiver com 20 a 25 centímetros de altura, ou quando as primeiras folhas estiverem dobrando. “Esta é a altura ideal de pastejo. O suficiente para que os animais tenham um alimento de alta qualidade, sem comprometer o bom enraizamento e a rebrota das forrageiras”, enfatiza Alcides Mitsuka.

Fala Cooperado:

 

 

 

 

 

 


Cláudio Marchesan, de Laguna Carapã (Sul do Mato Grosso do Sul)
- Participar de um evento como este é fundamental para quem busca melhores resultados com a sua atividade, seja ela dentro da agricultura ou da pecuária. Viajei mais de 500 quilômetros para conferir as novidades apresentadas pela Coamo aqui na Fazenda Experimental. Já tinha acompanhado o encontro de verão, mas o de inverno é a primeira vez. Estou contente por fazer parte do quadro de cooperados e muito agradecido pelo convite. Tenho certeza de que só vou acrescentar no meu conhecimento e na melhoria do trabalho na fazenda”.