Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 397 | Agosto de 2010 | Campo Mourão - Paraná

40 Anos

Etelvino Manfrin: “A Coamo é a garantia de quem planta e colhe”

Cooperado número 10 elogia desenvolvimento da agricultura nos 40 anos da Coamo

Quando o gaúcho Etelvino Manfrin, chegou na região de Campina do Amoral, distrito de Luiziana, Centro-Oeste do Paraná, em 8 de maio de 1964, trazia o desejo de realizar muitos sonhos. Um deles era o de ser patrão e cultivar lavouras com boas produtividades e ser feliz com a sua família. “Vim para cá há 46 anos e pensava que valia mais ser um pequeno patrão do que um grande peão. E assim, comprei 10 alqueires de terra e tudo começou. Mas não foi nada fácil”, conta Manfrin, um dos fundadores da Coamo, com a matrícula número 10.

O cooperado, de bem com a vida, continua morando no mesmo local da sua chegada, na década de 60, antes de ter vivido parte de sua vida em Tapera, no Rio Grande do Sul. “Aqui tinha muita quiçaça, taquara amarela, samambaia e sapé, e onde tinha mata tinha pinheiro, bonitos pinheirais, diga –se de passagem”, lembra Manfrin.

O produtor associado número 10 iniciou sua atividade agrícola na região plantando trigo, como a maioria dos agricultores pioneiros que chegaram à região. Depois, veio a experiência com a soja que deu certo. Na época, as dificuldades foram grandes haja vista os poucos recursos e falta de apoio. “Dinheiro a gente não tinha, mas sobrava vontade de trabalhar”, conta.

Manfrin explica que os financiamentos eram feitos no Banco do Brasil e o avaliador do banco no final da década de 60 era o agrônomo José Aroldo Gallassini, que trabalhava na Acarpa. “Era o Dr. Aroldo que fazia os nossos projetos, ele falava em montar uma cooperativa para ajudar os produtores na entrega da produção. Com a confiança e liderança que tinha, fez com que o sonho desse certo e a Coamo é esse grande sucesso”.

Para o fundador, a Coamo foi responsável pelo apoio e transformação da agricultura em várias regiões e comunidade. E para regular o mercado, ajudando os produtores a plantar com técnica e comercializar com segurança a sua produção. “Antes tudo era feito com os intermediários, a gente entregava o produto e não recebia e muitas vezes, perdia tudo. Mas, com a Coamo, a gente entrega, vende a produção e recebe no ato”, comemora.

Com três filhos e netos associados à Coamo, Etelvino Manfrin sente-se orgulhoso em ser cooperativista e ter o cooperativismo na sua família em três gerações.

Nos 40 anos da Coamo, ele elogia a administração e o trabalho da diretoria que, segundo ele, com firmeza e pés no chão, tem a confiança dos associados e vem trabalhando para melhorar a vida de milhares de produtores. “É bom demais, a gente poder plantar com garantia, entregar com garantia, receber e crescer com a garantia da Coamo. Não imaginaria o nosso sucesso sem o apoio da Coamo, digo sempre que a Coamo é uma mãe para os associados, é bom demais ser associado da Coamo”, comemora o cooperado número 10, acrescentando que o sentimento de todos os produtores fundadores da cooperativa deve ser de orgulho e de alegria.

“Somos todos vitoriosos pelo sucesso da Coamo”, diz Nelson Teodoro

Cooperado faz parte do grupo de pioneiros que fundou a cooperativa em 1970

O mourãoense Nelson Teodoro de Oliveira, mais conhecido como “Nelsinho”, de família tradicional na região que completou recentemente 100 anos de sua chegada em Campo Mourão, é o cooperado fundador número 48 da Coamo. Sua família chegou à região à procura de terras para o plantio de café. Com orgulho, ele conta da alegria de ter feito parte do movimento que culminou com o surgimento da Cooperativa Agropecuária Mourãoense Ltda, que recebeu na fundação a sigla “Coamo”, e que em 2004, teve sua razão social alterada para Coamo Agroindustrial Cooperativa. “O trabalho que a Coamo realiza é sério, respeitado e honesto, nós temos que ter orgulho em ser cooperado de uma cooperativa como a Coamo. A cada dia e a cada ano estamos provando para o Brasil que basta o trabalho ser sério para ir em frente e alcançar o sucesso. A Coamo tem a confiança e a participação dos seus cooperados, que valorizam o trabalho que ela desenvolve e a administração da sua diretoria”, explica o fundador.

Entusiasta que conhece e propaga o cooperativismo como saída para resolver os problemas, Nelsinho comemora o sucesso do movimento que mudou a realidade agrícola e econômica, inicialmente da região de Campo Mourão, e ao longo de várias décadas, de várias regiões do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. “Antes, as nossas terras eram improdutivas e conhecidas pelos famosos três ésses - saúva, samambaia e sapé. Hoje, a gente vê e comemora com satisfação as excelentes colheitas em uma das terras mais férteis do país”.

O cooperado fundador lembra que antes do surgimento da Coamo houve cinco tentativas para fundação de cooperativa na região. “Fundava uma cooperativa, mas quem estava à frente não tinha experiência e nem credibilidade para a frente. Tudo começou a mudar com a chegada do Dr. Aroldo, então agrônomo da Acarpa, em 1968, que acima de tudo é um idealista e empreendedor”, conta Nelsinho, que na época do nascimento da Coamo, ele era um jovem que trabalhava como avaliador do Banco do Brasil.

Segundo Nelsinho, o empresário Fioravante João Ferri foi convidado a ser o presidente da Coamo pela sua liderança e credibilidade.“Ele era madeireiro e tinha experiência de cooperativismo no Rio Grande do Sul, mas só aceitou o convite com a condição de que o agrônomo da Acarpa – Dr. Aroldo -, fosse trabalhar com ele e ser o gerente da cooperativa.”

40 ANOS – Perguntado sobre o crescimento e o sucesso da Coamo ao longo de quatro décadas, o cooperado número 48, responde de imediato: “Quando fundamos a Coamo não imaginávamos que ela teria tanto sucesso e seria do tamanho e representatividade que é, foi uma surpresa, mas fruto de muito trabalho, competência e honestidade”, afirma. Ele observa que com a cooperativa veio à assistência técnica, a tecnologia, o crédito, as excelentes produtividades e muitos benefícios que fizeram e fazem o desenvolvimento dos produtores.

Com o cooperativismo fazendo parte do seu dia a dia ao longo dos últimos quarenta anos, Nelson Teodoro de Oliveira acredita que a excelência na gestão, a qualidade nos serviços e a grande participação dos produtores associados são motivos que tem levado a Coamo ao sucesso no cenário cooperativista e empresarial do país. “Numa sociedade, quando as coisas são feitas corretamente com seriedade, trabalho e honestidade, os associados passam a ter satisfação e a confiança necessária para avançar sempre. E na Coamo é assim, tudo é feito com o propósito de beneficiar e desenvolver as atividades dos seus milhares de associados”, assegura.