barra Site Coamo barra
Órgão de divulgação da COAMO Agroindustrial Cooperativa | Edição 348 | Dezembro de 2005 | Campo Mourão - Paraná

Educação

UTFPR instala campus no Paraná

EM CAMPO MOURÃO SÃO OFERTADOS SEIS CURSOS, SENDO TRÊS EM GRADUAÇÃO NA ÁREA TÉCNICA

A região de Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná) foi uma das seis, no Estado, contempladas este ano com um dos campus da recém criada Universidade Tecnológica Federal (UTFPR). As outras são em Curitiba, Medianeira, Ponta Grossa, Pato Branco e Cornélio Procópio. Trata-se da primeira universidade especializada do país com denominação específica. Em Campo Mourão são ofertados seis cursos, sendo três em graduação na área técnica: Tecnologia Ambiental; Tecnologia de Alimentos; e Tecnologia em Construção Civil. O campus oferta, ainda, um curso técnico na área de Informática; curso de Ensino Médio e outro de Formação Pedagógica para Professores. Cerca de 850 alunos de toda região são atendidos hoje pelo campus de Campo Mourão. Para 2006, existe o projeto da criação de um novo curso de graduação na área de engenharia.

“Com a transformação em universidade, a UTFPR ganha autonomia na abertura de cursos, na busca de orçamento, no registro de diplomas e expansão”, explica o diretor do campus de Campo Mourão, professor Celso Aparecido Gandolfo. Ele diz que o Cefet-PR foi o primeiro a ser criado no País e, consequentemente, tornou-se o maior deles. “Hoje são 1,3 mil professores e 14 mil alunos na instituição”, contabiliza.

Apoio – Para Gandolfo, “foi uma grande conquista para toda a comunidade a transformação do Cefet em Universidade”. Ele lembra das dificuldades enfrentadas pela instituição no passado, o que por pouco não ocasionou o fechamento da unidade pela falta de recursos. O diretor valoriza o apoio de toda comunidade e principalmente das lideranças do município de Campo Mourão e região, que uniram esforços e juntos conseguiram superar a ameaça de fechamento do Cefet, que hoje se tornou universidade. “Foi uma luta de todos. A união de esforços foi decisiva para a superação de todos os obstáculos”, comemora.

Parceria – Celso Gandolfo faz questão de lembrar da importância da parceria que a Coamo sempre manteve com o Cefet em Campo Mourão. Ele aponta as oportunidades de estágio dos alunos da instituição nas unidades da cooperativa. “Muitos dos estudantes foram, inclusive, efetivados nas unidades da Coamo. Isso demonstra que há uma grande confiança da cooperativa nos alunos formados pelo Cefet”, salienta.

Coamo – A Coamo sempre esteve presente nas principais lutas e reivindicações em prol do desenvolvimento do município de Campo Mourão, como também das regiões onde atua, e no caso do Cefet não foi diferente. No dia 8 de junho de 1993, uma comitiva de lideranças locais composta pelo diretor-secretário da Coamo, Dr. Ricardo Accioly Calderari; do presidente da Associação Comercial e Industrial, Jintaro Ikeda; João Teodoro, vereador e representante da Câmara Municipal; e do agropecuarista Márcio Nunes; esteve em Brasília, ao lado do então prefeito Rubens Bueno e do vice Tauillo Tezelli, no gabinete do ministro da Educação, Maurílio Hingel, na presença do senador José Richa, assinando o protocolo de intenções que previa a criação de uma unidade do Centro Federal de Tecnologia (Cefet), no município, já a partir do primeiro semestre de 1994. A Conquista do Cefet foi muito comemorada pelos mourãoenses tendo em vista que outras cidades até de maior porte que Campo Mourão estavam no páreo para conseguir uma unidade da instituição. “Campo Mourão disputou com Maringá a sediação de uma unidade do Cefet e para a felicidade da nossa comunidade, a união e a vontade política de todas as lideranças e da comunidade foi decisiva para o município conquistar esta grande vitória que culminou com a instalação do Cefet, agora transformado em Universidade Federal Tecnológica do Paraná”, lembra Calderari.

96 Anos de História

A Universidade Tecnológica Federal (UTFPR) já nasce com 96 anos, se forem consideradas as mudanças até chegar a esta condição e a questão de que foi transformada e, não, criada. Durante este período, passou por cinco alterações de características e de nome. A primeira foi Escola de Aprendizes Artífices (1909). Depois, Liceu Industrial do Paraná (1937). Em seguida, Escola Técnica de Curitiba (1942). Na seqüência, Escola Técnica Federal do Paraná (1959); Logo após, Cefet-PR (1978); e agora, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2005).

A transformação do Cefet-PR em universidade aconteceu no dia 7 de outubro, por meio da sanção do projeto de lei da mudança pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Antes da assinatura do presidente, o projeto havia passado pela aprovação de quatro comissões da Câmara dos Deputados e duas do Senado Federal. Apesar de o processo ter iniciado no Legislativo em outubro, a idéia da transformação teve origem em 1998, na gestão do diretor Paulo Alessio.

O trâmite do projeto no legislativo começou em setembro de 2004, mas a idéia da mudança teve origem em 1998. Com a Lei Nacional de Diretrizes e Bases da Educação (LDBE), de 1996, que extinguia os cursos técnicos na forma integrada, o Cefet-PR mudou seu foco de instituição essencialmente de educação profissional de nível médio para instituição voltada à graduação. Essa mesma lei também possibilita a criação de universidades especializadas no campo do saber.

Com base nessa opção, há sete anos o Cefet-PR se preparou para ser uma Universidade Tecnológica. De lá para cá, criou 33 cursos de Tecnologia, que se somaram a quatro cursos de Engenharia e quatro de Ciências já existentes. A expansão do ensino estimulou o avanço da pós-graduação, enquanto em 1998 eram ofertados oito especializações e dois mestrados, hoje são oferecidas 41 especializações, quatro mestrados e um doutorado.