Cooperativismo
Coamo cresce 42% e tem receita global de R$ 2,27 bilhões em 2002

Melhor desempenho da cooperativa, em toda a sua história, foi apresentado durante assembléia geral

Centenas de cooperados compareceram à AGO e aprovaram os números do balanço da Coamo
Detalhe do excelente público
Impulsionada pela maior participação dos cooperados, a valorização das commodities agrícolas e a desvalorização do real, a Coamo teve em 2002 o maior faturamento em toda a sua história de 32 anos. A cooperativa fechou o ano com uma receita global de R$ 2,27 bilhões, registrando um crescimento de 42% em relação ao ano anterior. As sobras líquidas foram 77,2% superiores as do ano
de 2001, atingindo o montante de R$170,54 milhões. Os números foram apresentados aos cooperados durante a 33ª Assembléia Geral Ordinária, realizada no dia 20 de fevereiro, em Campo Mourão.

Mesa dos trabalhos, coordenada pela Diretoria Executiva, e completa com diversas autoridades, entre elas o presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski (esquerda) e o superintendente do Banco do Brasil em Campo Mourão, Wilson Marcos Machado (direita)

Conselho Fiscal eleito para a gestão 2003: Geraldo Corrent, Ênio Pasquali, Erasmo Coutinho Machado, Osmar Henrique Fritsche, Manoel Colombo e Nelson Moreira de Azevedo

Dr. Aroldo: "Com apoio dos cooperados continuamos crescendo e estamos pronto para a nova safra"
"Apesar das adversidades que o ano apresentou, o dinamismo, a criatividade e a agilidade na gestão dos negócios da cooperativa, aliados ao incremento no fornecimento de insumos, aumento da produtividade média dos produtores, adoção de tecnologias modernas e a otimização das oportunidades de negócios, fizeram a diferença no excelente desempenho alcançado no exercício", comemora o diretor presidente da Coamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini.

Em 2002, o Ativo Total da Coamo cresceu 35,4%, atingindo o montante de R$1,29 bilhão. O ano foi encerrado com um Patrimônio Líquido de R$589,39 milhões, representando um crescimento de 25,1% em relação ao ano de 2001. Já o índice de liquidez Geral ficou em 1,58 e o de Liquidez Corrente em 1,93. 

Investimentos - Na busca contínua da melhoria no atendimento ao quadro social, do plantio a comercialização, a Coamo investiu R$40,83 milhões durante o ano de 2002. "Estamos concluindo a construção de novas unidades de recebimento, além de ampliar diversos entrepostos, incrementando a capacidade de secagem e recebimento de produtos agrícolas, armazenagem dos insumos e industrialização, agregando maior valor à produção dos cooperados", revelou Gallassini.

Segundo o presidente da Coamo, os investimentos fazem parte da estratégia da cooperativa em oferecer aos associados, maior agilidade, qualidade e segurança nas operações, bem como manter a cooperativa competitiva e com infra-estrutura adequada.

Exportação - O comportamento do câmbio em 2002 também favoreceu as exportações da Coamo. Através de seu terminal portuário, a Coamo em 2002 exportou 1,86 milhão de toneladas de produtos em 252 navios, no valor de US$315,41 milhões, com crescimento de 15,9% em relação ao ano de 2001. As principais destinações das exportações da Coamo foram para a Europa com 54,9%, Ásia com 36,3% e África com 8,6%.

A cooperativa industrializou 1,22 milhão de toneladas de soja, representando um crescimento de 21,2% em relação ao ano de 2001. Também foram produzidas 907,84 mil toneladas de farelo de soja; 229,00 mil toneladas de óleo bruto de soja; 92,90 mil toneladas de óleo refinado de soja; 4,44 mil toneladas de margarina; 7,81 mil toneladas de creme vegetal; 5,43 mil toneladas de gordura vegetal; 27,13 mil toneladas de farinha de trigo e 4,90 mil toneladas de fios de algodão.

"Em consonância com a política governamental para ampliação das exportações brasileiras, a Coamo tem se destacado, a cada ano, principalmente pelo sistema de comercialização CIF Europa, onde o produto Coamo goza de excelente conceito pela qualidade e confiabilidade nos processos. O fornecimento de certificado de rastreabilidade tem se constituído num grande diferencial de mercado", explicou Gallassini.

Alimentos - A Coamo continua investindo na industrialização dos produtos recebidos, como é o caso do óleo refinado de soja, margarina, creme vegetal, gordura vegetal, café torrado e moído e farinha de trigo, que são colocados diretamente no mercado nacional. Com um faturamento de R$180,26 milhões, representando um crescimento de 76,4% em relação ao ano de 2001, este é um setor que vem crescendo e se consolidando a cada ano, face ao conceito de qualidade e higiene com que são produzidos, bons preços, respeito ao consumidor e cumprimento dos prazos de entrega.

Tributos - Durante o exercício de 2002 o valor de tributos e taxas gerados e recolhidos pela Coamo foi de R$112,69 milhões, representando um aumento de 32,2% em relação ao ano de 2001.

A participação ativa dos cooperados é um dos pilares para o sucesso da Coamo. "Com o apoio integral dos nossos cooperados continuamos crescendo e estamos prontos para receber uma nova e grande safra", afirma Gallassini.

Receita Global (em bilhões de R$)

Sobra Líquida (em milhões de R$)

Exportações (em milhões de US$)

Recolhimento de Tributos (em milhões de R$)

 

Ocepar elogia desempenho

Koslovski, da Ocepar
O diretor presidente do Sistema Ocepar - Organização e Sindicato das Cooperativas do Paraná, e vice-presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), João Paulo Koslovski, esteve entre as lideranças que prestigiaram a 33ª Assembléia Geral Ordinária da Coamo. Ele aproveitou a oportunidade para ressaltar que a importância da Coamo para o 
cooperativismo paranaense, brasileiro e mundial e elogiou o excelente balanço da cooperativa. Koslovski disse que os números representam a somatória das economias individuais dos cooperados em um resultado coletivo, proporcionando riquezas. "É um trabalho magnífico que vem agregando valor e com o esforço e união de todos, produzindo e transformando alimentos para o país", reconheceu.

Emocionado, Koslovski parabenizou a diretoria, os cooperados e o quadro de profissionais colaboradores pelo excelente trabalho realizado durante o ano passado. "A Coamo é motivo de orgulho para todo o Paraná e para o Brasil e um exemplo para a economia nacional", ressaltou. Segundo o presidente da Ocepar, a performance da Coamo referenda o cooperativismo como um importante instrumento de defesa dos interesses deste importante segmento.

Koslovski aproveitou para lembrar que o cooperativismo está cada vez mais profissional, buscando resultados de agregação de valor à produção dos cooperados. "Os eventos realizados através do Sescoop têm contribuído para essa maior profissionalização", afirmou. "São instrumentos de defesa dos nossos interesses", concluiu.

 

FALA COOPERADO:

Neldi Deitos, de Palmas - "Fiquei surpreso com a quantidade de associados participando. A Coamo cresceu bastante, em especial no último ano. Muito bom, pois se a Coamo cresce é sinal de que estamos crescendo junto".
Hércules Janguas Hernandes, de Engenheiro Beltrão - "Nós temos uma cooperativa muito séria, da qual tenho orgulho de ser sócio. É muito bom chegar nesta época do ano e receber as sobras, que nos ajuda em muito".
Conrado Bach, de Nova Santa Rosa - "Sabemos da seriedade com que a Coamo é administrada. Gostei muito dos números do balanço. Foi uma grande surpresa o valor das sobras anunciadas. A gente nem espera e quando vê já esta recebendo".
 
Valdomiro Dalben, de Palmital - "Os bons resultados da Coamo, para nós, são verdadeiros presentes. Esses números positivos nos fazem muito bem e também nos deixa ainda mais seguros".
 
Wilson Gasparelli, de Boa Esperança - "Como sempre o que vimos aqui já era esperado, a diferença é que neste ano o resultado foi melhor ainda, com um aumento significativo no valor das sobras. Eu acredito que todos os cooperados estejam contentes".