Especial

Colheita com dinheiro no bolso

Sobras fazem a alegria dos cooperados, que investem o dinheiro na qualidade de vida e na preparação da colheita da safra

   Cooperados não escondem a satisfação em receber o cheque das sobras

O que todos os cooperados esperavam aconteceu: a Coamo repetiu o bom desempenho em 2002 e apresentou o melhor faturamento de toda a sua história de 32 anos. E para os cooperados da Coamo, ano bom, com excelente resultado, significa sobras. Dinheiro que é sempre bem vindo, ainda mais quando chega na hora certa.

Esta vem sendo a realidade dos cooperados da Coamo. Todos os anos eles recebem de volta parte das sobras apuradas durante o exercício social da cooperativa. Com o resultado de 2002 - a cooperativa teve receitas globais de R$ 2,27 bilhões, a Coamo está devolvendo aos cooperados R$ 54 milhões em sobras. O pagamento acontece de forma simultânea em todos os entrepostos para os 17 mil associados da área de atuação da cooperativa. 

A distribuição dos lucros é uma tradição na Coamo. Os cooperados aproveitam o dinheiro extra para liquidar débitos, melhorar a qualidade de vida da família, investir nas atividades da propriedade e preparar a colheita da safra de verão. As sobras também ajudam a aquecer as vendas no comércio regional, movimentando a economia em 47 municípios do Paraná e de Santa Catarina.

A decisão pela distribuição das sobras foi tomada pelos próprios cooperados, durante a 33ª Assembléia Geral da Coamo, realizada dia 20 de fevereiro em Campo Mourão. A divisão é proporcional à movimentação de cada associado na cooperativa.

As sobras são aguardadas com entusiasmo pelos cooperados. Em 2002, as sobras líquidas foram 77,2% superiores as do ano de 2001, atingindo o montante de R$170,54 milhões. No final do ano a Coamo antecipou parte do dinheiro (R$ 15 milhões), como um décimo terceiro salário aos cooperados.

Segundo o presidente da Coamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, as sobras têm contribuído para aproximar ainda mais o quadro social da cooperativa. "Os cooperados sentem que há uma seriedade muito grande no trabalho da Coamo e participam ativamente de todas as atividades. No final de cada ano essa confiança se transforma em lucros", comemora.

Os cooperados que também são sócios da Credicoamo tiveram o valor correspondente às sobras depositados diretamente na conta corrente, enquanto os demais receberam um cheque no valor das sobras.

 

FALA COOPERADO:

Jose Carlos Ramos Pinto, de Luiziana - "Vou comprar peças e implementos e preparar a colheita. De uma forma ou de outra a gente acaba investindo aqui mesmo, na própria Coamo. Com esse dinheiro também podemos segurar mais aquela reserva de soja que seria utilizada para eventualidades".

 

Domingos Pedro de Campos, de Campo Mourão - "Para nós é uma satisfação receber um montante de sobras tão grande. Assim os cooperados se sentem mais alegres em trabalhar com a cooperativa, já que o lucro é dividido. Desta forma a Coamo só tem a crescer e os cooperados a valorizá-la cada vez mais".

 

Estefano Bartchechen, de Araruna - "As sobras sempre vêm em boa hora. E agora em fevereiro melhor ainda, já que podemos utilizar esse dinheiro para nos preparar para a safra. É o que eu vou fazer. Quero modernizar meu maquinário para colher com mais agilidade. As sobras são um prêmio para o cooperado".
Ricardo Aranha Figueredo, de Campo Mourão - "É um momento bastante aguardado e esse ano o valor realmente nos surpreendeu. Vou usar esse capital para reinvestir dentro da propriedade, o que vai nos propiciar uma colheita mais tranqüila, aguardando assim o melhor momento para vender a safra".