Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 369 | Janeiro e Fevereiro de 2008 | Campo Mourão - Paraná

Fatos & Fotos

Homenagem a Sérgio Panceri

Depois de 33 anos de trabalho junto à diretoria, Panceri deixa a vice-presidência da Coamo

Na 38ª Assembléia Geral Ordinária (AGO), realizada no dia 15 de fevereiro, em Campo Mourão, o agricultor e cooperativista Sérgio Luiz Panceri recebeu importante homenagem dos cooperados, diretoria e funcionários da Coamo. Na AGO aconteceu a eleição do Conselho de Administração para o período 2008/2011 com alteração na diretoria executiva, devido a saída do então vice-presidente Sérgio Luiz Panceri, que há 33 anos prestou relevantes ser-viços à Coamo.  Falando aos presentes na assembléia, o presidente da Coamo, Dr. Aroldo Gallassini, antes da entrega da homenagem, disse que o ‘seo’ Sérgio estava deixando a vice-presidência da Coamo para dedicar-se mais as suas atividades particulares, e também para dedicar-se um pouco mais a sua família, e aproveitar o tempo livre para um justo e merecido descanso.

O presidente da Coamo manifestou o agradecimento de toda a família Coamo a trajetória e ao trabalho vitorioso de Sérgio Luiz Panceri na cooperativa. “Sérgio, parece que foi ontem, mas já ultrapassamos 33 anos de caminhadas juntos, desde a sua primeira eleição para diretor-secretário em 1975 e para vice-presidente em 1984. Quando começamos tínhamos em mente e torcíamos para que fossem anos de muito trabalho, muita luta e muito sucesso, em prol dos cooperados, da nossa Coamo, e realmente foi assim esta nossa trajetória, unidos em prol do bem comum. E como há tempo para tudo, é tempo de agradecer a você Sérgio, pela sua dedicação total, entusiasmo, paixão, fidelidade e orgulho imensurável pela coamo e por seus cooperados. Juntos, formamos uma família, um time unido, harmônico e entrosado, ajudando e comungando dos mesmos ideais e sonhos, na busca de fazer sempre o melhor, para o bem comum. Estamos tristes com a sua saída, mas ao mesmo tempo estamos felizes porque vimos nesses 33 anos de convivência muita dedicação, muita inspiração e muita transpiração em prol da nossa coamo, dos nossos cooperados”.

Bastante emocionado, Sérgio Luiz Panceri agradeceu a homenagem afirmando que os cooperados são a razão da existência da Coamo. “Durante todo esse período em que trabalhei na Coamo o nosso objetivo foi um só: trabalhar em prol do sucesso dos nossos cooperados e acredito que fizemos isso, porque os cooperados estão satisfeitos com a Coamo e com o cooperativismo”, disse, após receber a placa alusiva a sua homenagem.

Visita do governo e senado americano

A Coamo recebeu na manhã do dia 15 de janeiro deste ano a visita de uma delegação dos Estados Unidos composta por 10 representantes da Comissão de Agricultura do Senado e do USDA - órgão equivalente ao Ministério da Agricultura no Brasil. Os visitantes conheceram alguns dos trabalhos desenvolvidos pela Coamo na sua fazenda experimental, com destaque para os programas de Integração Lavoura-Pecuária e Fertilidade do Solo.

Em Campo Mourão, os americanos visitaram também lavouras de milho e soja na propriedade do agricultor e cooperado da Coamo, Joaquim Peres Montans, um dos precursores do plantio direto no país. “Estamos levando uma imagem positiva da agricultura brasileira que tem tecnologia e altas produtividades. O Brasil é um complexo formidável e não deixa nada a desejar para os EUA”, disse Constante Jackson, vice-diretora de serviços Internacionais do USDA, chefe da delegação americana.

Novo Supertec da Coamo

O engenheiro agrônomo José Varago (foto) assumiu neste mês a superintendência Técnica da Coamo. Varago, que completou recentemente 30 anos de serviços na cooperativa, exercia anteriormente a função de gerente de Compras da Coamo, que passou a ser ocupada pelo engenheiro agrônomo Aquiles de Oliveira Dias.

Brasil tem 7,6 mil cooperativas e quase 8 milhões de associados

 

O Brasil tem 7.672 cooperativas com 7,68 milhões de associados e empregam mais de 250 mil pessoas. São Paulo é o estado com o maior número de cooperativas e de associados e o Paraná ocupa o primeiro lugar em número de empregados: 50.190, seguido de perto por São Paulo e Rio grande do Sul. O Paraná conta com 233 cooperativas (foto Coamo), 451.500 associados e 50.190 empregados, números que o colocam entre os mais importantes do país. Fonte: Imprensa Ocepar

Brasil: terceiro maior produtor mundial de transgênicos

O Brasil foi o país que registrou o maior aumento absoluto em todo o mundo da área cultivada com alimentos transgênicos entre 2006 e 2007, segundo um relatório do Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações de Agro-biotecnologia (ISAAA, em inglês, uma organização ligada à indústria). O aumento da área cultivada com transgênicos no país no ano passado foi de 3,5 milhões de hectares. Em termos relativos, entretanto, o Brasil ficou em segundo lugar, com um aumento de 30%, índice superado pela Índia (63%).

Apesar do aumento no cultivo e na área de lavouras, o Brasil manteve a posição de terceiro maior produtor mundial de culturas transgênicas (com 15 milhões de hectares de soja e algodão modificados geneticamente), ficando atrás dos Estados Unidos (com 57,7 milhões de hectares plantados) e da Argentina (com 19,1 milhões de hectares). Em todo o mundo, segundo o relatório, a área de cultivo de sementes transgênicas cresceu 12% em 2007, chegando a 114,3 milhões de hectares.

Milho: Conselho nacional aprova duas variedades transgênicas

Conselho Nacional de Biotecnologia aprovou em fevereiro, por 7 votos a favor e 4 contrários, a liberação comercial de duas variedades de milho transgênico que já haviam sido autorizadas pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), colocando fim a um debate que já durava cerca de 10 anos. As sementes geneticamente modificadas, da Bayer CropScience e da Monsanto, tinham sido aprovadas pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) no ano passado.  Com isso, o milho passa a ser o terceiro item agrícola transgênico autorizado no Brasil. O ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, disse que a decisão do CNBS foi um avanço. “As sementes liberadas são seguras para o consumo humano, para o consumo animal e para o meio ambiente”, resumiu.