Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 401 | Janeiro e Fevereiro de 2011 | Campo Mourão - Paraná

Desempenho

Coamo tem recorde de faturamento no ano dos 40

Cooperativa atinge R$ 4,78 bilhões em receitas globais e sobras líquidas somam R$ 287,68 milhões. As exportações no período totalizaram US$ 761,61 milhões. Mais um ano de recordes na história de quatro décadas

O cooperado Adair Cassol, de Laguna Carapã, no Sul do Mato Grosso do Sul, parecia hipnotizado. Não desviou a atenção um minuto sequer, impressionado com os números apresentados pela diretoria da Coamo durante a prestação de contas da cooperativa, relativa ao exercício de 2010. "Não imaginava, em todos esses anos como associado, que a nossa empresa tivesse tanta expressividade", comentou, durante uma votação e outra. 'Seo' Adair só relaxou quando a assembleia terminou. E, ainda emocionado, revelou: "sinto-me um agricultor privilegiado; e tenho certeza de que se não fosse o apoio da Coamo eu estaria, hoje, morando um barranco qualquer", expressou. Com lágrimas nos olhos, ele lembrou dos avanços protagonizados por ele e seus companheiros de profissão depois que a cooperativa se instalou na sua região.

Como o emotivo sulmatogrossense, centenas de cooperados acompanharam o anúncio do desempenho da Coamo em 2010 e comemoraram mais um bom desempenho da cooperativa. "Espero poder voltar outras vezes para participar de eventos como este e continuar acompanhando de perto o sucesso da minha cooperativa", enfatizou Cassol, antes de tomar o caminho de volta para o Mato Grosso do Sul.

RESULTADO – A assembleia geral da cooperativa aconteceu em Campo Mourão, no dia 18 de fevereiro. Coroando o ano que marcou o 40º aniversário de sua fundação, a Coamo apresentou mais um ano de recordes na sua história e fechou o exercício de 2010 atingindo receitas globais de R$ 4,78 bilhões.

No resultado financeiro da co-operativa, as sobras líquidas totalizaram R$ 287,68 milhões. Desse total, conforme proposição aprovada na assembleia, R$ 103,3 milhões foram distribuídos entre os 22,7 mil associados, na proporção da movimentação de cada um no abastecimento de insumos, entrega e comercialização da produção.

O Ativo Total atingiu o montante de R$ 3,80 bilhões. Já o Patrimônio Líquido, foi de R$ 1,97 bilhão. E os demais índices da cooperativa foram: liquidez corrente 2,10; liquidez geral 1,67; margem de garantia 207,3% e grau de endividamento 48,2%.

RECUPERAÇÃO – Na apresentação do relatório da gestão, o diretor-presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, disse que o ano foi marcado por um período de preços bastante deprimidos e outro de recuperação, com mu-dança para as previsões de oferta e demanda, e trazendo os preços de soja e milho para os melhores patamares registrados no ano. Segundo Gallassini, a exceção ficou por conta do trigo que depende de incentivos governamentais para viabilizar a comercialização.

CRISE MUNDIAL – O dirigente da Coamo lembrou que a crise vivida em 2008 provocou uma forte desaceleração da economia mundial e trouxe resquícios para o ano de 2010. "Alguns países europeus foram obrigados a buscar planos para a estabilização de seus endividamentos. Quanto ao Brasil, definitivamente o país superou a referida crise nesse ano", analisou.

RECORDE NAS EXPORTAÇÕES – No ano dos seus 40 anos, a Coamo bateu recorde no volume de suas exportações ,que totalizaram o montante de US$ 761,61 milhões. O resultado representou um crescimento de 8,2% em relação ao ano anterior e posicionou a Coamo como a 39ª maior empresa ex-portadora brasileira.

EVENTOS E TRIBUTOS – Nas áreas técnica, educacional e social, com a atuação direta de 227 profissionais treinados e especializados, a Coamo promoveu mais de 1.700 eventos reunindo mais de 76 mil participantes. Os impostos, taxas e contribuições sociais gerados e recolhidos pela Coamo atingiram o montante de R$ 206,38 milhões. Para promover as atividades em prol do desenvolvimento da família cooperada a Coamo contou com o trabalho de 5.234 colaboradores efetivos e adicionalmente uma média mensal de mais 1.599 colaboradores entre temporários e terceirizados.

Conselho Fiscal

Durante a assembleia, também aconteceu a eleição dos componentes do Conselho Fiscal. Os novos conselheiros, que atuarão durante a gestão 2011, são os seguintes: efetivos – Alessandro Gaspar Colombo, Anselmo Coutinho Machado e Vicente Mignoso; suplentes – Wolfgang Graf, Velci Luiz Trombini e Félix Ruiz Marques.

Números impressionam presidente da Ocepar

"As cooperativas paranaenses estão entre as maiores investidoras do Estado, sobretudo na industrialização". A afirmação foi feita pelo diretor-presidente do Sistema Ocepar/Sescoop-PR, João Paulo Koslovski, durante a assembleia de prestação de contas da Coamo. O dirigente enalteceu os números do relatório financeiro e salientou que eles impressionam não só o Paraná, como o Brasil e o mundo. "O resultado positivo alcançado pela Coamo, em todos os seus 40 anos de existência, é fruto de uma gestão altamente profissionalizada. E essa ação eficiente tem contribuído para solidificar a boa imagem do cooperativismo no cenário econômico mundial", elogiou Koslovski.

Para o presidente da Ocepar, "além do resultado financeiro que beirou aos R$ 5 bilhões, a Coamo recebeu 5,58 milhões de toneladas de grãos e fibras, o que corres-ponde a 3,74% da produção nacional, e exportou US$ 761 milhões, sendo a 39ª maior empresa exportadora do Brasil e responsável por 40% das vendas externas das cooperativas brasileiras. São números que impressionam", acentua Koslovski.

NOVOS GOVERNANTES – A pauta de reivindicações do setor cooperativista para as esferas estadual e nacional também compôs o discurso do dirigente. Ele destacou o compromisso dos novos governantes com o avanço de temas importantes para o segmento e disse que entre os principais projetos do cooperativismo está a regulamentação do Código Florestal; o pedido da agilização por parte do governo na divulgação das novas regras para a safra de inverno 2011; a tributação sobre os produtos da alimentação; os incentivos fiscais; e recursos para infraestrutura, sobretudo para a recuperação de estradas rurais. "O governo do Paraná está sensível às nossas reivindicações, principalmente pela importância que as cooperativas têm na movimentação econômica e social do Estado", conclui Koslovski.

Fala Cooperado: