Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 401 | Janeiro e Fevereiro de 2011 | Campo Mourão - Paraná

Sucesso / Política Agrícola

Gallassini e 40 anos são destaques na Dinheiro Rural

Reportagem especial sobre a história da cooperativa estampou, além da capa, outras cinco páginas da revista

A edição de fevereiro/2011 da revista Dinheiro Rural, publicação do grupo IstoÉ, traz como destaque uma reportagem especial com o diretor-presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini. O texto conta parte da história dos 40 anos da cooperativa e revela como o dirigente "transformou uma pequena associação rural na maior cooperativa agrícola do mundo, com faturamento de R$ 5 bilhões". Produzida pelos repórteres Viviane Taguchi e Julio Vilela, a reportagem estampou, além da capa, outras cinco páginas da revista.

DECOLAGEM – O texto aponta os fatores que foram decisivos para a consolidação do sucesso da Coamo. Sobretudo, a figura de Gallassini, que se confunde com a da identidade que idealizou e ajudou a fundar, em novembro de 1970. "Sob sua gestão, a Coamo ficou conhecida como uma cooperativa que agigantou-se sem entrar no vermelho", expressa a revista.

Ao lembrar os desafios do início da cooperativa, Gallassini conta que se envolveu com o projeto de fazer a Coamo decolar. Como agrônomo, foi para ao campo orientar os produtores a cultivar o solo, e como dirigente ensinou a filosofia cooperativista. "Os agricultores não tinham acesso à informação, a novas técnicas. Eles faziam o que seus avós ensinavam", lembra o cooperado Moacir José Ferri, que esteve entre os pioneiros que fundaram a Coamo.

FORA DA PORTEIRA – Os repórteres da Dinheiro Rural apuraram que, para os cooperados, Gallassini é um representante de grandes negócios. "Não conseguiríamos nunca sem o apoio da Coamo e sem o conhecimento técnico que Gallassini trouxe para a região", argumenta Gabriel Jort, associado em Campo Mourão.

PRODUÇÃO INDUSTRIAL E OUSADIA – Outro ponto destacado pela revista é a transformação dos grãos em produtos para o mercado consumidor. A capa-cidade agroindustrial da Coamo é de 2 milhões de toneladas/ano. "Dá para crescer, em produção e na indústria", diz o executivo, acreditando que mesmo já tendo tornado a Coamo bem-sucedida, sempre há o que melhorar.

O diretor-presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski, aponta a ousadia como uma das atitudes mais marcantes de Gallassini. "Ele foi ousado ao enxergar a possibilidade de agregar valor à produção vendendo grãos no ex-terior. Nenhuma cooperativa ousava fazer isso no início dos anos 1980", conta Koslovski.

O jeito ousado de fazer negócios foi reconhecido pela Bolsa de Chicago, em 2007, quando Gallassini protagonizou uma campanha internacional de divulgação da bolsa.

NAS BANCAS – A revista já está nas bancas. O conteúdo completo também pode ser acessado no site da revista, por meio do seguinte endereço: www.terra.com.br/revistadinheirorural

Mapa prorroga prazo para plantio do milho safrinha no Paraná

Atendendo reivindicação da Ocepar, FAEP e SEAB, em benefício de milhares de produtores paranaenses, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou no dia 16 de fevereiro de 2011 uma nova portaria que retifica e prorroga o prazo para o plantio de milho safrinha no Paraná para mais 10 e 20 dias, que variam de acordo com a região e o clima. Cerca de 90% da área produtora de milho safrinha será beneficiada com o aumento de 20 dias no plantio, passando o prazo de 28 de fevereiro para 20 de março, obedecendo a portaria que estebalece o zoneamento agrícola.

Segundo o diretor-presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, o pleito foi formulado tendo em vista o excesso de chuvas verificado nas regiões produtoras que está atrasando o início da colheita da soja. "Os produtores de milho safrinha cooperados da Coamo podem procurar os entrepostos da cooperativa e verificar com seus técnicos qual é o novo prazo que foi aprovado para o plantio do cereal", informa Gallassini.

O dirigente elogia a atuação imediata do MAPA que atendeu prontamente o pleito da Ocepar que foi bem recebido pelos produtores paranaenses.