Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 373 | Junho de 2008 | Campo Mourão - Paraná

Tecnologia

Produtividade maior com plantas bem nutridas

Pesquisador da USP palestra sobre o tema para cooperados da Coamo

A nutrição é fundamental para que a planta manifeste todo o seu potencial produtivo. Dentro da agricultura moderna o conceito de hoje é nutrição e não mais adubação. É preciso conhecer as exigências da planta e fornecer exatamente o que ela precisa para manter o seu equilíbrio fisiológico, fazendo com que todas as etapas metabólicas da planta sejam cumpridas da melhor maneira.

A afirmação foi feita pelo engenheiro agrônomo Antonio Luiz Fancelli, professor/doutor da cadeira de Nutrição de Plantas, da Universidade Superior de Agricultura Luz de Queiroz, a Esalq/USP, de Piracicaba, em São Paulo. Recentemente ele esteve percorrendo vários entrepostos da área de ação da Coamo, onde participou de eventos técnicos e palestrou sobre o tema.

Fancelli disse que o produtor ainda precisa adquirir o hábito de investir em nutrição para buscar altas produtividades, fazendo uma agricultura mais sustentável e com crescimento vertical. “O produtor trabalhava a agricultura como uma recita de bolo, utilizando sempre a mesma quantidade de adubo e o mais barato possível. Isso limitava demais o potencial produtivo da planta. Hoje isso é coisa do passado. O produtor começando a descobrir a necessidade de se trabalhar com este conceito de nutrição e equilíbrio. Tanto que todos utilizam um recurso fundamental que é a análise de solo, para fazer um plano de adubação mais adequado, garantindo a produtividade da planta.

Segundo o pesquisador, a idéia não é trabalhar com quantidade de adubo, mas sim com qualidade, utilizando fórmulas corretadas, com composições adequadas para cada situação. “Uma das alternativas, explica Fancelli, é melhorar o sistema radicular da planta (raiz), fazendo com que ela tenha mais capacidade de absorver os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Se tiver que utilizar menos adubo está é uma forma inteligente de conduzir lavoura. Dessa forma é possível ajudar a planta a aproveitar mais o adubo, consequentemente utilizando menos nutrientes. A rotação de culturas em um grande aliado deste sistema que infelizmente muitos produtores estão negligenciando”, alerta o professor elogiando a grande presença de cooperados Coamo que participam dos eventos técnicos da cooperativa, buscando informação de qualidade para o desenvolvimento do dia-a-dia da atividade. “Isso é muito importante. Eles estão sempre atrás de boa informação e mostram muito interesse com os assuntos discutidos. A equipe técnica da Coamo está de parabéns, por sempre trazer novidades e abrir os olhos dos seus cooperados para as inovações, mostrando que eles tem potencial para produzir em grande escala”, finaliza Fancelli.

Eventos regionalizados

Boa Esperança – Antonio Fancelli falou a um grupo de 200 cooperados em Boa Esperança (Centro-Oeste do Paraná). O evento teve a participação do agrônomo Olisses Carlos Ruva, do Detec da Coamo em Boa Esperança, que explanou o tema: doenças na cultura do milho. O agrônomo Alfeu Fachin, responsável técnico pelo entreposto, repassou aos cooperados um histórico sobre a produtividade regional de soja e milho. O encontro aconteceu no dia 29 de maio.

São Pedro do Iguaçu – O professor Antonio Fancelli também esteve, no dia 29 de maio, em São Pedro do Iguaçu (Oeste do Paraná), aonde participou de encontro técnico da Coamo. O evento reuniu cerca de 100 cooperados da região. O agrônomo Marco Aurélio Guenca, do Detec da Coamo, falou sobre a prática de sobre-semeadura de aveia em milho safrinha, visando a formação de palha, e o manejo de plantas daninhas de difícil controle como a buva. Outro tema apresentado no encontro foi doenças radiculares em soja, apresentado pelo professor Odair José Kuhn, da Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste).

Toledo – No dia 30 de maio foi a vez dos cooperados de Toledo, também no Oeste paranaense, acompanharem a palestra do pesquisador Antonio Fancelli. Em evento promovido pelo entreposto da Coamo, em Toledo, também abordou o tema Tecnologia de Aplicação de Defensivos, pelo agrônomo da Coamo Rivael Siniz Lima, com destaque para o trabalho da cooperativa neste segmento. Cerca de 200 cooperados participaram do evento.

Nova Santa Rosa – Ainda no Oeste do Estado, o entreposto de Nova Santa Rosa promoveu no dia 29 de maio a 5ª edição do Encontro de Tecnologia de Produção de Soja e Milho. Trezentos e cinqüenta cooperados de toda a região prestigiaram o evento. Também participaram alunos da PUC de Toledo e Unioeste de Marechal Candido Rondon. Destaque para a palestra de Aroldo Marochi, da Monsanto, sobre biotecnologia e o futuro da agricultura mundial; para a palestra de Francisco Sampaio, da Pionner Sementes, sobre as novas tendências para as commodities agrícolas e globalização de produtos; e para o agrônomo Thiago Dias Gonçalves, do Detec da Coamo em Nova Santa Rosa, que falou sobre os programas desenvolvidos pela cooperativa para auxiliar os cooperados no incremento de renda na propriedade, como a correção dos níveis de fertilidade do solo através do Projeto Fertilidade e do gerenciamento da propriedade, como o Programa Na Ponta do Lápis.

Soja: Campeões de produtividade Coodetec

A Coodetec divulgou os resultados do seu Concurso de Produtividade, que contou com a participação de 326 produtores do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Antônio Cláudio Felix Cavalheiro, de Caçapava do Sul (RS) foi o campeão da cultivar CD 226RR. Ele colheu 103,2 sacas por hectare. O campeão da cultivar CD 225RR foi o catarinense de Campos Novos, Sady Dutra, que alcançou 88,9 sacas por hectare. Para se ter uma idéia, produtividade média da soja no Brasil, segundo a Conab, alcançou na última safra, 46,9 sacas por hectare. Segundo o presidente da central de pesquisa, Irineo da Costa Rodrigues, a cultura da soja no Brasil ainda tem um longo caminho até esgotar todo o potencial genético das cultivares.

Parcerias de resultado – Presente à solenidade, o presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, destacou a importante decisão das cooperativas brasileiras em investirem na pesquisa através de sua central Coodetec, trazendo como resultado a maior produtividade das inúmeras variedades lançadas e a redução de custos de produção, com o mínimo impacto ambiental.