Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 395 | Junho de 2010 | Campo Mourão - Paraná

Agricultura

Safra positiva em Brasilândia do Sul

Unidades da Coamo na região de Brasilândia do Sul, no Oeste paranaense, receberam, este ano, a primeira safra de soja

O agricultor Claudir Lazzari, de Brasilândia do Sul, é um dos associados que está contente e comemorando a chegada da Coamo, que iniciou suas atividades na região no ano passado. “A gente está feliz com a Coamo que é fora de série. Eu e o meu pai trabalhamos com ela desde 2003 quando mesmo morando aqui, andávamos 140 quilômetros em três horas e meia para levar a nossa produção até sua unidade em Toledo. Agora, ficou muito melhor, não tem nem comparação, pois temos a Coamo bem pertinho das nossas casas”, conta Lazzari.

CONFIANÇA – O produtor mora há 39 anos em Brasilândia do Sul, na safra de verão cultiva soja em 97 alqueires, que recebe também o milho safrinha, no inverno. Na safra 2009/10 ele colheu sua melhor média de soja com 140 sacas por alqueire e ressalta o apoio da assistência técnica para a boa produção obtida na sua propriedade. “Eu já conhecia a assistência da Coamo, ela é excelente, fico tranquilo porque o agrônomo está sempre ao nosso lado orientando e ajudando para produzir bem e melhor. Brinco até com ele, quando o convido para vir na minha lavoura ele chega primeiro que eu”.

EXPERIÊNCIA – Em Alto Piquiri, o agricultor Solano Peyerl entregou sua produção da safra de verão na unidade da Coamo em Paulistânia. Na área plantada de soja em 48,5 alqueires ele colheu média de 141 sacas por alqueire e acredita que este número poderá ser ainda melhor nas próximas safras. “A chegada da Coamo está mudando o cenário da nossa região. Com a Coamo é outra coisa, estou feliz. Esta foi a minha primeira safra com a cooperativa que tem uma boa assistência e apoio para eu produzir bem e colher bons resultados”, assegura o produtor, associado da Coamo desde o ano passado. Segundo Peyerl, o agricultor precisa fazer a sua parte, investir em tecnologia e buscar o máximo das potencialidades das suas lavouras. “Eu faço 100% a minha parte e depois da lavoura plantada fico nas mãos de São Pedro esperando por bom clima e boa safra”, diz o produtor, satisfeito com o trabalho realizado. Na safra de inverno ele plantou milho safrinha e pelas previsões iniciais deve registrar excelente produção do cereal, tendo em vista o clima regular que favorece o bom desenvolvimento da safra.

ESTRUTURA – “Os números da primeira safra em Brasilândia do Sul e em Alto Piquiri são expressivos, tendo em vista a estrutura que a Coamo contou para recepcionar a produção dos seus associados. Eles estão contentes com o trabalho inicial e ficaram mais felizes ainda com a aprovação na última Assembleia Geral de importantes investimentos que serão realizados nas nossas unidades, com previsão já para a próxima safra. Tudo para melhorar os serviços com difusão da assistência e tecnologias necessárias para que os associados possam produzir bem. Com a ampliação da capacidade de armazenagem e do recebimento da produção, com certeza, prevemos um aumento significativo na movimentação dos associados em nossas unidades”, considera o agrônomo Jorides Washington Castro Zoratto, gerente da Coamo nas unidades de Brasilândia do Sul e Alto Piquiri.