Especial
Modernidade nos detalhes

Decisões precisas garantem sucesso da agricultura praticada pelos cooperados da Coamo no Sul

Na fazenda Riacho Doce de propriedade do cooperado Jaimir Colognese, em Honório Serpa, os detalhes são determinantes na eficiência da produção de grãos. A diferença está na visão que o cooperado tem sobre a tecnologia. A análise de solo, considerada pelos agricultores como o ponto de partida da agricultura, é levada a sério por Colognese e a partir dessas informações é realizada a correção dos nutrientes. A 
O Agrônomo Jarmum Massariol confere as raízes da soja, com o cooperado Jaimir Colognese
 
escolha da variedade, plantio na hora certa e outras técnicas recomendadas, são apenas alguns dos fatores que são levados em conta pelo produtor.

"Na verdade nenhuma técnica funciona sozinha. Temos que adotar, se quisermos produzir bem, todo o pacote tecnológico", adverte. Colognese adota um planejamento das atividades e antes mesmo de colocar a semente no solo faz o tratamento com fungicida, inseticida e até com micronutrientes. As dicas do Detec da Coamo ajudaram o cooperado. Em dez anos, a produtividade média da lavoura foi elevada em 35 sacas por alqueire. "No passado a soja era plantada só com uma adubação de base e a produtividade era muito baixa", confidencia.

O rendimento da safra colhida este ano, segundo Colognese, teve uma pequena queda, mas ainda foi boa, diante da estiagem que ocorreu na região. A média da soja foi 142 sacas por alqueire e o milho rendeu em 75 alqueires uma média 396 sacas. Mas o cooperado garante que poderia ter sido pior, não fosse a tecnologia aplicada na propriedade nos últimos anos. "Na nossa região houve quebra de até 25%. Mas na minha fazenda a queda foi de 8% em relação às 155 sacas de soja produzidas no ano passado. Acredito que o solo estava melhor estruturado e resistiu mais a estiagem", garante
Segundo Colognese, o segredo para garantir a sustentabilidade do negócio agropecuário é tratar a propriedade como uma empresa. "Se não formos competentes para administrar estaremos fora do mercado. O investimento mínimo tem que existir senão a terra não produz", ensina.

A outra ferramenta considerada importante pelo cooperado é a parceria que mantém com a Coamo. Através dela, segundo ele, é possível programar o futuro das atividades. "As minhas decisões só são tomadas depois de consultar a 'mãe Coamo'. Com a cooperativa aprendi a não pensar no imediatismo e buscar as vantagens oferecidas a médio e logo prazo. Por isso, sou premiado com um resultado financeiro que me deixa em boa situação", comemora.
Colognese: pensamento voltado para conquistas a médio e longo prazo

 

O valor da informação

Quanto vale uma informação sobre determinada tecnologia? Para o cooperado José Nicolau Ludwig, de Aberlado Luz, em Santa Catarina, não tem preço e nem distância para buscá-la. Pode ser na sua cidade, dentro ou fora do seu Estado e até mesmo em outro País. A busca pelas novidades, ao longo dos anos, lhe rendeu o título de campeão em produtividade de milho na região. A média da safra 2000/01 ficou em 452,5 sacas por alqueire. Na soja, mesmo a região não sendo propícia para a cultura, na mesma safra colheu 144,2 sacas por alqueire.

O cooperado não abre mão da tecnologia. Ele sabe que a única forma produzir cada vez mais é estar por dentro de tudo que acontece no setor agropecuário. "Não perco um dia de campo ou reunião técnica; e a minha 
Ludwig: "a informação e a base do nosso negócio"
 
propriedade está sempre disponível para experimentar as novidades da pesquisa", revela. "O objetivo é sempre inovar", acrescenta José Carlos de Andrade, engenheiro agrônomo do Detec da Coamo em Abelardo Luz, que assiste a propriedade de Ludwig.

Espaçamento do milho - Uma das novidades para a próxima safra é o espaçamento reduzido no plantio do milho. Até a última safra o espaçamento utilizado era entre 80 e 90 centímetros, e nesta safra todos os equipamentos serão adequados para 50 centímetros entre linhas. A mudança ocorre também na cultura da soja, dos atuais 45 para os mesmos 50 centímetros e assim não será preciso mexer na linha na hora do plantio das duas lavouras.

A inovação não fica por aí. O cooperado fez a aquisição de uma plataforma para colheita do milho com espaçamento reduzido. "Espero que a melhor distribuição das plantas, associado às outras tecnologias que utilizo, possa trazer um incremento na produtividade", finaliza.