Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 383 | Maio de 2009 | Campo Mourão - Paraná

Pesquisa

Um debate sobre a cadeia produtiva da soja

Congresso Brasileiro de Soja, na sua 5ª edição, reúne 1,6 mil pessoas em Goiânia. Em discussão, a soja como fator de desenvolvimento do Cone Sul

A comissão organizadora considerou um sucesso de público os mais de 1,6 mil inscritos no V Congresso Brasileiro de Soja e no Mercosoja 2009, realizado de 19 a 22 de maio em Goiânia, Goiás, com o tema Soja: fator de desenvolvimento do Cone Sul. A solenidade de abertura contou com a presença do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, que anunciou em primeira mão o acordo para que o Brasil exportar carne de frango diretamente para a China.

O CBSoja teve como objetivo principal a promoção do debate sobre os principais aspectos relacionados à cadeia produtiva da soja. “A soja é uma cultura de grande importância para o agronegócio nacional, responsável pelo crescente volume de exportações e consequente avanço da economia brasileira”, afirmou o presidente do evento, José Renato Bouças Farias.

FERRUGEM – Durante o congresso foram apresentadas diversas propostas para o manejo sustentável da cultura e, ainda, lançada a cultivar de soja BRSGO 7560, desenvolvida numa parceria entre a Embrapa, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Goiás (SEAGRO) e o Centro Tecnológico para Pesquisas Agropecuárias (CTPA). A cultivar foi desenvolvida para auxiliar no manejo da ferrugem da soja, considerada atualmente a principal doença da soja, devido à agressividade com que ataca as lavouras.

A BRSGO 7560 atende a demanda por cultivares resistentes à ferrugem, desde que sejam mantidas as recomendações técnicas para o manejo da doença. A cultivar é indicada para os estados de Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais e também para o norte do estado de São Paulo. As sementes da BRSGO 7560 estarão disponíveis para os produtores na safra 2010/2011. Simbolizando o repasse da semente ao agronegócio brasileiro, foram entregues amostras personalizadas da cultivar para representantes de diversos segmentos da cadeia produtiva da soja.

CLIMA – Concentração de CO2 na atmosfera, aumento da temperatura global e conseqüente alteração no regime de chuvas foi tema de um painel que discutiu os cenários climáticos globais e regionalizados, traçando um panorama do que irá ocorrer com o clima nos próximos 20, 50 e 100 anos, além de ter projetado como se dará a produção de grãos, em especial a de soja. Segundo o pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária, Eduardo Assad, que participou do debate, o último relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) apontou um aumento de até 4°C na temperatura global para 2100. Assad afirma que as culturas de verão serão as mais afetadas, uma vez que quanto mais alta a temperatura, maior a necessidade de água. “As regiões de produção que possuem limitações, principalmente provocadas por geadas, serão beneficiadas com o aquecimento da temperatura, pois o risco de geada diminui”, explica Assad.

O principal impacto que o aumento de temperatura pode provocar na cultura da soja é o aumento da demanda de água pela planta. Isso pode acarretar em uma vulnerabilidade econômica da produção, já que a produtividade da cultura da soja é muito afetada pela disponibilidade de água. (Com informações da Imprensa CBSoja)