barra Site Coamo barra
Órgão de divulgação da COAMO Agroindustrial Cooperativa | Edição 345 | novembro de 2005 | Campo Mourão - Paraná

Educação Ambiental

Brincadeira séria em defesa do planeta

PARCERIA COAMO/BASF TRAZ PROJETO INÉDITO AO PARANÁ E PROPICIA A FORMAÇÃO DE JOVENS CIDADÃOS RESPONSÁVEIS EM CAMPO MOURÃO

LogoConsciência ambiental passou a ser um conceito obrigatório nas empresas e nas comunidades onde elas estão inseridas. A defesa do meio ambiente é uma prática necessária para o futuro do planeta, e como tal deve ser levada a sério. Ações neste sentido têm alcançado as mais variadas classes da sociedade e com resultados surpreendentes. A formação de cidadãos ambientalmente responsáveis é uma condição que se sobrepõe aos interesses econômicos. Socializar o ser humano é prática fundamental na luta para a sustentabilidade do planeta, sobretudo quando é aplicada às crianças, que são o nosso futuro.

E conscientizar crianças e adolescentes para a preservação dos recursos naturais é o principal objetivo do Projeto “Planeta Água, Mata Atlântica e Paisagens”, realizado pela Coamo, em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná), de 16 de novembro a 3 de dezembro, em parceria com a Basf – uma das principais fabricantes de defensivos agrícolas do país. Trata-se de uma iniciativa voltada à educação ambiental, que ensina e cria jovens cidadãos responsáveis, que aprendem a agir com consciência na defesa do planeta. O projeto foi idealizado pela Basf, com apoio da Universidade de São Paulo e dos Amigos da Escola, da Fundação Roberto Marinho, contando o apoio de Antônio Bellini Editora & Cultura, e Município de Campo Mourão, através da Secretaria de Educação.

Sobrevivência do planeta – Na abertura do projeto, além das crianças, diversas autoridades foram especialmente convidadas. O presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, valorizou a parceria com a Basf e disse que a iniciativa expõe a preocupação das empresas envolvidas com a preservação do meio ambiente. “Seria bom ver todo o país ter atitudes como esta, que colaboram para uma formação humana e social de crianças, buscando uma questão única para o nosso planeta: sobrevivência”, salientou. Gallassini ainda fez questão de lembrar dos projetos da cooperativa voltados para a preservação do meio ambiente e dos recursos naturais renováveis. “A Coamo tem suas áreas próprias de reflorestamento para fins energéticos e também construiu e mantém 40 unidades de recolhimento de embalagens vazias de agrotóxicos”, destacou. Segundo ele, a cooperativa também tem trabalhado forte na conscientização dos seus cooperados para a recomposição das matas ciliares.

 

Presente e futuro – Para o diretor da Divisão Agrícola da Basf no Brasil, Eduardo Leduc, as atitudes das empresas e das pessoas servem de exemplos para as futuras gerações. Trabalhar com conscientização é uma das formas, segundo Leduc, de educar jovens e adultos para a preservação do meio ambiente, sem comprometer os recursos naturais. “Esse trabalho faz parte da responsabilidade social e ambiental da Basf e da Coamo, e são fundamentais para o desenvolvimento sustentável”, relatou.

O projeto “Planeta água – Mata Atlântica e Paisagens”, foi iniciado em 2003 e já percorreu mais de 50 cidades de outras regiões do Brasil. Mas no Paraná a primeira cidade a recebê-lo é Campo Mourão, por intermédio da Coamo. O trabalho de educação ambiental já atingiu aproximadamente 60 mil crianças. “É uma iniciativa que muitas empresas também deveriam ter. A Coamo está de parabéns por acreditar que o futuro começa agora, abraçando este projeto da Basf”, sustentou Leduc.

Município satisfeito – O prefeito de Campo Mourão, Nelson José Tureck, disse ser um grande orgulho para a cidade receber um projeto que é inédito no Paraná. “Conquistamos essa honra através da Coamo, que, sem dúvida, é uma das nossas empresas que mais enaltecem o nome do município não só no Estado, como também no Brasil e no mundo”, comemorou. Na opinião do prefeito de Campo Mourão, “a iniciativa é um passo importante e de responsabilidade da Coamo, que demonstra grande preocupação não só com o ser humano mas também com a natureza”.

Aniversário da Coamo – A vinda do projeto para Campo Mourão fez parte do calendário comemorativo aos 35 anos da Coamo – completados em 28 de novembro. Com o apoio da Secretaria Municipal de Educação, mais de 2 mil crianças, da rede pública municipal de ensino de Campo Mourão, na faixa etária de 8 a 12 anos, de 22 estabelecimentos de ensino do município, passaram pelo projeto.

TEATRO E OFICINAS

Desenvolvido através de apresentação teatral e oficinas de arte, o projeto “Planeta água – Mata Atlântica e Paisagens, ocupa uma tenda de mais de 200 metros quadrados de área. Primeiro as crianças assistem a uma peça que retrata os problemas e soluções para a preservação das matas e dos rios. Depois, elas participam das oficinas de trabalhos manuais, onde recriam, artisticamente, a mata atlântica feita com sisal, nos diferentes tons de floresta, e cachoeiras, feitas com plásticos reciclados. O espetáculo de teatro e as oficinas têm duração de 1h40. O público alvo são crianças na faixa de 8 a 12 anos.

Gisela ArantesGisela Arantes, criadora, diretora e coordenadora do projeto disse que a idéia do trabalho partiu de uma necessidade. “Se a gente andar pela rua vai ver quanto é necessário trabalhar a questão ambiental. Que não é só cuidar da fauna e da flora, mas também das relações humanas. Então, a questão ambiental passa pelo respeito, pela dignidade, que são alguns dos itens do comportamento humano que hoje em dia estão meio desprestigiados. Foi assim que pensamos em um projeto social que pudesse atender a tudo isso e propiciar a crianças que normalmente não têm a possibilidade de acompanhar um evento de alta qualidade e que traga, também, uma informação cultural”, pondera.

O trabalho com o lúdico, segundo Arantes, é fundamental para a interação da criança no projeto. Nas quase duas horas de duração, o espetáculo conquista as crianças e, na maioria das vezes, faz um trabalho de apoio muito grande para as escolas. “Quando você traz uma informação de forma lúdica e poética, e que mexe com outros elementos do ser humano que não é só o intelectual, o recado chega de uma maneira muito mais tranqüila, grava na vida da pessoa. Então aqui as crianças são participativas e ativas dentro do ambiente que a gente criou”, considera. O teatro, conforme explicou, “é uma estória mítica, por isso vai além e consegue ser absorvida por crianças de todas as idades.

Uma senhora iniciativa

Personagem da campanhaA iniciativa da Basf e da Coamo vai muito além da conscientização das crianças que participam do projeto, porque os resultados não se esgotam ao final do espetáculo. As crianças levam as informações para as suas escolas, comunidades e para as suas casas, onde elas também acabam fazendo o papel de educadoras. Assim, a partir do que aprendem com a oportunidade dada pelo projeto, elas passam a repercutir os ensinamentos, uma vez que a criança é um ser em transformação e está sempre aberta para internalizar o conhecimento.

 

Alunos especiais – A diretoria da Apae de Campo Mourão, Denilde Grego, não conteve a emoção ao agradecer o convite da Coamo para que os alunos da instituição participassem do projeto. “Foi mais uma boa surpresa para nós, proporcionada pela Coamo. É só observar nos olhos dos alunos para ver a alegria deles em participar desse importante projeto. Foi emocionante ver como os nossos alunos conseguiram interagir em todas as atividades. Isso mostra que o projeto foi muito bem elaborado e atinge, realmente, o seu objetivo”, assinalou.

Emprego e renda – Além do estímulo à educação ambiental, a iniciativa da Basf e Coamo contribui para a geração de emprego e renda para profissionais de cultura, que realizam as apresentações e palestras. A relevância educativa e o alcance de público do projeto o qualificam como uma ferramenta comprovada de inclusão social e melhoria da qualidade de vida.

Pequenos no tamanho, mas grandes na consciência

Os alunos Letícia Emer Silva e Ronei Cezar de Campos, ambos do Colégio Manoel Bandeira, gostaram muito do espetáculo. Falando em nome dos demais colegas que participaram junto com eles do primeiro dia de apresentações, Letícia e Ronei não conseguiram esconder a emoção. Ela disse que aprendeu que não se deve poluir os rios e nem cortar as árvores. “Se não tomarmos cuidado os rios vão secar e não vai mais ter água para as pessoas beberem”, alerta Letícia Silva. Para ele, além das dicas de preservação da natureza, o que mais chamou sua atenção foram os cuidados com o lixo. “Não devemos jogar o lixo em qualquer lugar, para que amanhã ele não esteja na porta da nossa casa. É bom separar e reciclar para colaborar com a natureza”, orienta Ronei Campos.

Um presente de futuro

PROJETO É VOLTADO PARA CRIANÇAS, MAS OS ADULTOS TAMBÉM APRENDEM COM DIVERSÃO GARANTIDA

Em duas seções diárias, as apresentações com duração de 1h40 cada, o espetáculo foi realizado entre os dais 16 de novembro a 3 de dezembro, no estacionamento do prédio da Administração da Coamo, em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná). Foram duas sessões diárias, com uma média de 200 crianças participantes por dia. Logo após as oficinas, a Coamo serviu um lanche para as crianças.

Espetáculo educativo – O espetáculo teatral, narra a trajetória de Analú, uma garota que busca a fonte de água pura e cristalina. Como nos contos tradicionais de fadas, ela terá de vencer muitos desafios até provar ser a heroína de sua própria história. Em sua caminhada pelos ambiente das águas, florestas e cidades, a garota se depara com diversos personagens que lhe transmitem grandes informações ambientais. Os demais personagens da fábula são o carteiro Adilson; o peixe Bororó; o índio Mato Molhado; o papagaio Professor Guaruba; o lenhador João Fortão; a doméstica Maricotinha e a malvada Salmonela Tifosa.

Oficinas de arte – Criadas por Vera Patury, as oficinas de arte possibilitam às crianças a “reconstrução” simbólica das florestas e cachoeiras, a partir da utilização de teares manuais e materiais reciclados, como fibras naturais tingidas artesanalmente e sobras industriais plásticas. O resultado pode ser visto em exposição no próprio local.

Como acontece o projeto – Uma tenda com 200 metros quadrados foi montada no estacionamento da Coamo, abrigando dois ambientes. No primeiro, um palco produzido com iluminação, cenário e trilha sonora própria recebe uma trupe de atores que, de forma lúdica, ensinam como os participantes devem agir em defesa de um planeta saudável. O segundo ambiente comporta uma oficina de arte, na qual as crianças reconstroem a natureza brincando.

Para assistir ao espetáculo e participar das oficinas, as crianças foram transportadas das escolas até as tendas, com segurança total, por um ônibus personalizado do projeto.