barra Site Coamo barra
Órgão de divulgação da COAMO Agroindustrial Cooperativa | Edição 345 | novembro de 2005 | Campo Mourão - Paraná

Cooperativismo

35 anos valorizando a família cooperativista

NO DIA 28 DE NOVEMBRO DE 1970, UM GRUPO DE AGRICULTORES DEU INÍCIO AO QUE É HOJE UMA DAS MAIORES EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A Coamo nasceu de idéias e ideais. Nasceu do sonho de 79 agricultores, na busca de uma vida melhor para suas famílias e, hoje, é a realidade de milhares de pessoas que acreditam no cooperativismo e na força do trabalho em conjunto.

Eventos da Coamo

Alicerçada na fé e no espírito de união e solidariedade, a Coamo vem cumprindo a sua missão, impulsionando o desenvolvimento diretamente para mais de 100 mil pessoas entre funcionários, cooperados e familiares, além de propiciar o progresso nas comunidades onde atua nos estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.

A estrutura disponibilizada pela cooperativa com unidades de recebimento bem perto das suas propriedades, o fornecimento de máquinas e implementos, peças, óleos lubrificantes, produtos veterinários e insumos agrícolas, além de assistência técnica agronômica e financeira, garante proximidade e apoio às atividades dos seus 19,6 mil cooperados.

Dentro do trabalho de assistência oferecido pela Coamo está o de aumentar a renda e a qualidade de vida da família cooperativista no meio ambiente produtivo rural.

Para isso a cooperativa promove anualmente mais de 1,5 mil eventos para cerca de 70 mil pessoas participantes em dias de campo, encontros e atividades técnicas, educacionais e sociais na sua área de ação. Esses eventos auxiliam sobremaneira os produtores associados à Coamo, com o objetivo de redução de custos de produção, aumento de produtividades, conservação e fertilidade do solo e preservação do meio ambiente. “Um dos objetivos da Coamo é estar cada vez mais perto dos seus cooperados e familiares, propiciando renda e qualidade de vida. E para isso, realizamos desde a fundação da Coamo um forte trabalho de educação cooperativista buscando a capacitação e o aprimoramento da família cooperativista. Acreditamos que estamos no caminho certo, porque a expressiva participação dos cooperados e familiares da Coamo é que dá sentido a existência e atuação da cooperativa”, assegura Dr. Aroldo Gallassini, presidente da Coamo.

Seguindo a sua trajetória de sucesso, a Coamo vem agregando valor e renda a produção dos seus cooperados, além de gerar empregos, divisas, tributos e qualidade de vida a milhões de pessoas. E a cada ano buscando a superação de seus próprios recordes, ajudando seus cooperados a crescer e o Brasil a melhorar.

Coamo gera renda e qualidade de vida

EMPRESA GENUINAMENTE BRASILEIRA, NASCIDA NO INTERIOR, A COAMO COMEMORA 35 ANOS COM OS SEUS 19,6 MIL COOPERADOS NOS ESTADOS DO PARANÁ, SANTA CATARINA E MATO GROSSO DO SUL

Coamo gera renda e qualidade de vida

O tempo passa, mas a história se perpetua ao longo dos anos. As páginas escritas com trabalho e dedicação são passadas de geração em geração e permanecem para sempre na memória. Trinta e cinco anos após sua fundação, a Coamo, com sede em Campo Mourão, no Centro-Oeste do Paraná, tem na sua história o desenvolvimento de toda uma região. Empresa genuinamente brasileira, nascida no interior, a cooperativa comemora eficiência e sucesso ao lado dos seus 19,6 mil cooperados. Fruto de um projeto elaborado para desenvolver a produção primária da região, a Coamo se transformou na grande força do homem do campo.

Reconhecida como uma das maiores cooperativas da América Latina e maior empresa privada do Paraná, a Coamo responde por 3,5% de toda a produção nacional de grãos e fibras e 16% da safra paranaense. O segredo de todo o sucesso, segundo o seu idealizador e diretor-presidente, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, está alicerçado em quatro fatores básicos: a política de capitalização, a estabilidade administrativa, o apoio incondicional dos cooperados e a harmonia existente entre a diretoria, cooperados e funcionários. “Todo o trabalho é voltado para o desenvolvimento do quadro social, que participa ativamente dos negócios da cooperativa”, explica. A seriedade e honestidade com que a Coamo é administrada gera um alto grau de satisfação no quadro social. “A base de tudo é a confiança e o profissionalismo, de ambas as partes”, acentua Gallassini.

Caminho mais curto ; Entre as estratégias da Coamo para ganhar mercado estão projetos para aumentar a produtividade e a renda dos cooperados e investimentos na agroindustrialização para agregar maior valor à produção. “Buscamos encurtar o caminho para que o crescimento econômico do cooperado seja sustentável”, frisa o presidente da Coamo. Para incentivar a diversificação da propriedade, bem como fixar o homem ao campo, a cooperativa criou e está desenvolvendo vários projetos como Colono, Calcário, Fertilidade do Solo, Café Adensado, Gado de Leite e Corte e Suinocultura, que incrementam os meios de produção e aumentam a renda familiar. Com a capacitação dos cooperados, na absorção de novas tecnologias, a produtividade tem evoluído significativamente.

A industrialização tem garantido à Coamo fortalecimento no mercado e maior rendimento aos cooperados. O parque industrial da Coamo é composto por quatro indústrias de esmagamento de soja, entre próprias e arrendadas, cujas capacidades de produção somadas é de seis mil toneladas/dia, resultando na industrialização de dois milhões de toneladas de produtos/ano.

Completam o complexo industrial uma refinaria de óleo de soja com capacidade para trezentos e sessenta toneladas/dia; uma fábrica de gordura hidrogenada com capacidade de cem toneladas/dia; uma indústria de margarina e creme vegetal com capacidade para cento e vinte toneladas/dia; uma fiação de algodão com capacidade para vinte toneladas de fio/dia e um moinho de trigo, que, juntamente com mais uma unidade arrendada, industrializam cem toneladas de trigo por dia.

Deste parque industrial saem os produtos Coamo: margarina, creme vegetal, óleo refinado de soja, farinha de trigo, gordura vegetal e café torrado, moído e à vácuo que levam as marcas Coamo e Primê a supermercados e mercearias de diversos estados brasileiros, além das commodities farelo e óleo degomado de soja.

“A agroindustrialização é uma forma de agregar maior valor à nossa produção. Isto significa que os próprios cooperados estão sendo mais valorizados, uma vez que a produção está sendo entregue diretamente na mesa do consumidor, gerando mais receita e renda”, comemora o presidente da Coamo.

Exportação ; Com uma área de atuação que atinge 4 milhões de hectares agrícolas, a Coamo possui 90 unidades em 53 municípios dos Estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. A capacidade de armazenagem da cooperativa é de mais de 57 milhões de sacas.

Além da atuação forte no mercado nacional, a cada ano que passa a Coamo tem buscado maior espaço no mercado externo, onde são comercializadas as commodities agrícolas nos sistemas FOB e CIF, com certificado de rastreabilidade, que garante o controle do produto coamo do campo até o seu destino. O lançamento do contrato de soja em grão para a América do Sul negociados nos portos de Paranaguá e Santos, através da bolsa de Chicago, facilitará a formação de preços.

No campo das exportações das cooperativas, a Coamo responde por 24% do total do cooperativismo brasileiro, que está entre as trinta maiores empresas exportadoras do país.

E para dar suporte as suas exportações, a Coamo conta com um terminal portuário em Paranaguá, com capacidade de embarque até três mil toneladas de produtos por hora. Parte das exportações também são realizadas pelo porto de São Francisco do Sul, em Santa Catarina.

35 anos – Para acompanhar as exigências e desafios do mundo moderno a receita da Coamo é aliar experiência e eficiência administrativa à capacidade de manter-se sempre voltada para o futuro e para a inovação, como condições essenciais para a solução dos problemas. “O crescimento é contínuo. Investimos para ganhar novos mercados. A modernização das nossas unidades e o incremento de novas agroindústrias são provas de que a estratégia é se fortalecer no mercado e garantir melhores resultados, agregando maior valor à produção dos nossos cooperados”, acrescenta o presidente da Coamo, Dr. Aroldo Gallassini.

Credicoamo completa 16 anos

COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL TEM SIDO AGENTE DE DESENVOLVIMENTO PARA MAIS DE 5 MIL COOPERADOS

Proporcionar apoio creditício para seus cooperados, na condução das suas atividades. Este foi um dos objetivos da reunião de 29 produtores rurais da região de Campo Mourão no dia 17 de novembro de 1989, que resultou na criação da Credicoamo Crédito Rural Cooperativa.

Presente em 16 municípios nos estados do Paraná (Campo Mourão, Juranda, Mamborê, Boa Esperança, Engenheiro Beltrão, Pitanga, Ivaiporã, São João do Ivaí, Manoel Ribas, Nova Santa, Tupãssi, Toledo, Mangueirinha, Coronel Vivida e Palmas) e Santa Catarina (Abelardo Luz), a Credicoamo conta hoje com mais de 5 mil cooperados que recebem diversos serviços visando o desenvolvimento das suas atividades e agregação de renda.

Assim, a Credicoamo completou em novembro 16 anos de fundação, sendo importante agente de desenvolvimento do setor agropecuário e figurando entre as maiores cooperativas do segmento de Crédito do país. “São 16 anos de sucesso, totalmente voltados para o desenvolvimento e o atendimento às necessidades dos nossos cooperados ”, comemora o presidente da cooperativa, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini.

Serviços – Entre os serviços disponibilizados pela Credicoamo aos seus cooperados estão:conta corrente, aplicações financeiras, financiamentos e empréstimos através de várias modalidades (capital de giro, financiamento de veículos, microcomputadores e bens utilitários, custeios e investimentos agrícola e pecuário), financiamentos com recursos do BNDEs, cartão de crédito e arrecadação de faturas e carnês conveniados de água, energia elétrica, telefone, seguros diversos e IPTU com as prefeituras conveniadas.

Para o presidente da Credicoamo, um dos grandes motivos do sucesso da cooperativa está na efetiva participação dos seus cooperados, resultando em uma maior movimentação financeira a cada exercício, permitindo o crescimento e o atendimento as mais diversas necessidades do quadro social.

Com uma estrutura funcional, moderna e ágil, a Credicoamo vem crescendo a cada ano, prestando serviços de qualidade ao seu quadro social”, explica José Aroldo Gallassini, presidente da Credicoamo. “A Credicoamo é uma instituição financeira forte, com a filosofia de atender integralmente seus cooperados proporcionando-lhes a segurança necessária para o crescimento de suas atividades. Sem contar as sobras que são distribuídas ao final de cada exercício e o alto grau de solidez da Credicoamo que vem concretizando-se a cada ano”, assegura.

Ocepar:

Núcleos Norte e Noroeste em Campo Mourão

DIRIGENTES ANALISAM ANO DE 2005 E PROJETAM ESTRATÉGIAS PARA 2006

A Coamo foi palco, no dia 22 de novembro, do Encontro de Núcleos Cooperativos das regiões Norte e Noroeste. Organizado pela Ocepar – Organização e Sindicato das Cooperativas do Paraná, e Sescoop – Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, o evento reuniu mais de 100 dirigentes e executivos de cooperativas das duas regiões.

O diretor-presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski, abriu o encontro e fez um balanço do ano de 2005 para o setor cooperativo paranaense. Segundo ele, o período não foi muito bom para a agricultura. “A redução da produção em seis milhões de toneladas, queda de 35% nas exportações e um faturamento de 25% menor das cooperativas do Estado são fatores que refletiram diretamente em todos os segmentos do agronegócio”, declarou. Para o próximo ano, Koslovski espera uma maior disponibilidade de recursos por parte do governo federal, uma vez que os preços dos produtos agrícolas ainda poderão estar deprimidos. “Acredito que 2006 será um ano favorável para a agricultura”.

Propostas para 2006 – Aproveitando a sua participação no encontro, Koslovski falou sobre o planejamento do sistema cooperativo paranaense para 2006 e também sobre as ações já desenvolvidas com relação ao Plano Paraná Cooperativo 2010. Ele apresentou uma pauta de propostas contende o que cada área da Ocepar e Sescoop-PR pretendem desenvolver no ano que vem junto as cooperativas. “São ações políticas, com gestões na busca de crédito; planejamento para as áreas de desenvolvimento humano; autogestão; técnica e econômica; jurídica; sindical; de comunicação; de representação institucional e sobre os programas específicos da instituição”, enumera.

Governança corporativa – O doutor e professor do Instituto Superior de Administração da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (ISAD/PUC-PR), Eduardo Damião da Silva foi o convidado do encontro para falar aos dirigentes e executivos das cooperativas. Ele discorreu sobre o tema: “Governança corporativa e estratégia”.

Na opinião de Damião, a governança corporativa, a gestão democrática e participativa nas empresas mercantis se torna cada vez mais uma exigência, onde o processo decisório deve ser adequado a realidade. “Nos Estados Unidos, gestão corporativa é lei e tem que ser cumprida”, diz. Para o professor Damião, “o cooperativismo já está mais familiarizado com esses temas, afinal, os princípios que norteiam o sistema são baseados na participação democrática, na transparência, mesmo assim é necessário sempre atualizar tais conceitos para que não sejam perdidos de vista. Provavelmente uma das razões do bom desempenho do sistema cooperativista, seu crescimento seja essa forma democrática de atuar”, lembra.

Coodetec avalia 2005

No mesmo dia, logo após o Encontro dos Núcleos Cooperativos Norte e Noroeste, em Campo Mourão, aconteceu uma das seis reuniões pré-assembléias da Coodetec – Cooperativa Central de Pesquisa Agrícola, com sede em Cascavel (Oeste do Paraná). A reunião foi realizada na sede social da Arcam – Associação dos Funcionários da Coamo, com a presença dos dirigentes e executivos das cooperativas e do presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski.

Na oportunidade, o diretor-presidente da Coodetec, Irineu da Costa Rodrigues, antecipou a prestação de contas da entidade, a ser apresentada durante a Assembléia Geral Ordinária da cooperativa, no próximo dia 26 de janeiro, em Cascavel. “As reuniões pré-assembléias são uma tradição da Coodetec, assim como acontece nas cooperativas de produção, que são nossas filiadas. Aproveitamos para fazer um balanço das atividades em 2005 e falar das perspectivas em 2006”, revela. Segundo Rodrigues, “o ano foi difícil e nosso faturamento ficou cerca de 10% abaixo da meta, mas o nosso resultado financeiro superou as expectativas, ficando ao redor de R$ 10 milhões”.

Bem estruturada, a Coodetec é uma empresa focada em melhorar cada vez mais os seus resultados. E não poderia ser diferente para 2006. “Temos novos desafios e a nossa auto-suficiência financeira é fundamental para continuarmos com os nossos fortes investimentos em pesquisa”, completa Rodrigues.