Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 389 | Novembro de 2009 | Campo Mourão - Paraná

Bovinocultura

Livrando a pastagem das plantas tóxicas

A ingestão de plantas tóxicas pelos bovinos pode trazer prejuízos ao rebanho, principalmente à parte reprodutiva

Entre as plantas que invadem as espécies de forrageiras que compõem as pastagens das propriedades rurais, algumas são consideraras tóxicas. O veterinário Paulo Roberto Calderon, de Ivaiporã, no Centro-Norte paranaense, afirma que as tóxicas causam grande prejuízo na pecuária brasileira. Segundo ele, elas são responsáveis por complicações no processo reprodutivo dos animais e por índices consideráveis de mortalidade dentro do rebanho. “Ao ingerir essas plantas, as fêmeas prenhes podem abordar suas crias, enquanto que nos machos podem ocorrer problemas de redução da fertilidade”, explica Calderon.

O técnico da Coamo orienta os criadores que, no Brasil, existem 89 espécies de plantas tóxicas. Segundo ele, as causas mais frequentes de intoxicação por plantas tóxicas são; deficiência nutricional a qual pode provocar fome e levar o animal a consumir plantas tóxicas que habitualmente não ingere; sede e transporte, acarretando alteração no apetite; excesso de animais em áreas escassas em alimentos; utilização contínua de agroquímicos nas pastagens cultivadas, o que melhora a palatabilidade das plantas, favorecendo a ingestão das mesmas pelos animais.

“A prevenção das intoxicações é feita através de capina ou de produtos que combatam essas plantas através de herbicidas. Os prejuízos são mortalidade dos animais quando afeta grande porcentagem do rebanho e ainda quando não há óbito, há redução de ganho de peso e distúrbios metabólicos e reprodutivos”, revela Calderon.

Ele diz que pode causar, ainda, abortos nas fêmeas até 45 dias de gestação (morte embrionária) ou nos 45 dias do final da gestação, ou ainda mumificação fetal. “Em fêmeas não prenhes os efeitos tóxicos podem influenciar na fisiologia ovariana levando a alteração nos gametas femininos comprometendo a capacidade de serem fecundados pelos espermatozóides”.