Fatos & Fotos
Aconteceu, registramos
 

Uma marca de 25 anos no jornalismo agropecuário

Jornal Coamo se consolida como um informativo de serviços do cooperativismo

Jornal Coamo: uma boa fonte de informação
O Jornal Coamo circula este mês a sua 300ª edição. São 25 anos de circulação ininterrupta, levando informações das atividades desenvolvidas pela Coamo e seus cooperados e também do setor agropecuário nacional. "Ao longo da sua existência, o informativo vem se destacando pela sua qualidade editorial, registrando matérias de interesse da agropecuária e principalmente colaborando para mostrar a experiência, evolução técnica, econômica e social, e os bons resultados conquistados pelo nosso quadro social, na busca contínua de incremento da produtividade e renda", resume o diretor presidente da Coamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini. Para ele, o jornal é um excelente veículo de informação e tomada de 
decisão para os cooperados e demais envolvidos na cadeia produtiva rural.

O presidente da Ocepar - Organização e Sindicato das Cooperativas do Paraná, engenheiro agrônomo João Paulo Kosloski, diz que o Jornal Coamo é um informativo a serviço do cooperativismo brasileiro, repassando informações de grande utilidade para todo o seu público. "Além de ser um jornal de serviços, transformou-se num instrumento de relações públicas do cooperativismo, valorizando o sistema perante os cooperados, parceiros da cooperativa e autoridades", comemora. A Ocepar, segundo Koslovski, regozija-se pela 300ª edição do Jornal Coamo e parabeniza cooperados, diretoria e funcionários por esta grande marca no jornalismo agropecuário.
 


A Granja do Ano

 

Pelo seu desempenho no setor cooperativista brasileiro, a Coamo recebeu no dia 31 de agosto, em Esteio (RS), o troféu "A Granja do Ano". O prêmio, concedido pela revista gaúcha A Granja, foi outorgado a empresas dos mais importantes segmentos da economia nacional. A Coamo foi escolhida por leitores da revista em voto direto e democrático como Destaque 2001, no segmento "Cooperativismo". Com a indicação, a cooperativa acumula um total de 12 prêmios, ao longo dos dezesseis anos de história da premiação.

Segundo Hugo Hoffmann, presidente da Editora Centaurus - responsável pela revista, a Coamo é um exemplo para todo o país. "É uma empresa jovem e vencedora, com uma administração séria e eficiente", afirmou.

Na foto, o diretor vice-presidente da Coamo, Sérgio Luiz Panceri, recebendo o prêmio das mãos de Vicente Bogo, da Ocergs - Organização das Cooperativas do Rio Grande do Sul.


Criado entreposto de Campo Mourão

Desde o dia 4 de setembro, está funcionando o entreposto de Campo Mourão. Localizado no prédio da administração central, a criação da unidade faz parte de uma reestruturação implementada pela diretoria da Coamo, cujo objetivo principal é a melhoria no atendimento aos cooperados, com redução de custos.

Estão subordinadas a gerência do entreposto de Campo Mourão as unidades de recebimento de produtos de Campo Mourão e Farol; liquidação de safras; assistência técnica; distribuição de insumos e loja de peças; e posto de atendimento da Credicoamo. As unidades de recebimento de algodão permanecerão subordinadas a gerência de Produtos e a unidade de recebimento de produtos da Indústria continuará subordinada a gerência Industrial de Óleo e Álcool, bem como a unidade de beneficiamento de sementes permanecerá subordinada à gerência de Sementes.

 

 

Faixa de fronteira:
Prazo para ratificação encerra em dezembro

Termina em dezembro o prazo para que os proprietários de imóveis localizados na faixa de fronteira ratifiquem os títulos no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), caso contrário eles serão automaticamente cancelados. A faixa de fronteira é o limite de terras situado numa área de 150 quilômetros das divisas internacionais, delimitado pela linha imaginária que se inicia, no caso do Paraná, ao Sul de Candói e termina em Tapira, ao Norte. Estas terras, que compreendem municípios inteiros, foram objeto de concessões e alienações pelo governo estadual entre os anos de 1891 e 1966, mas a competência para aliená-las ou concedê-las era do governo federal. Para resolver a questão, foi instituída a Instrução Normativa 42/2.000 pelo (Incra).

As propriedades classificadas como médias e pequenas (até 15 módulos fiscais) ficaram ratificadas de ofício e seus donos nada precisarão fazer. Como o módulo fiscal varia na região de 18 a 20 hectares, as propriedades com até 270 hectares estariam de ofício ratificadas, mas é aconselhável verificar caso a caso.

A recomendação é que o agricultor cuja propriedade está localizada na faixa de fronteira procure o Incra para regularizar a situação.