Agricultura
Guarapuava tem nova unidade da Coamo

Napoleão atende, principalmente, os cooperados da região centro-sul do Paraná

Inaugurado durante a colheita da safra de verão, a unidade de Napoleão, em Guarapuava, é uma das mais recentes estruturas construídas pela Coamo para melhor atender e estar mais próxima do seu quadro social. Antiga reivindicação da comunidade, a unidade está localizada no quilômetro 221 da rodovia PR-364 e atente principalmente os cooperados da região centro-sul do Paraná.

O cooperado Luiz Frederico Salvadori é um dos beneficiados. Na região há 33 anos ele acompanhou de perto as dificuldades enfrentadas pelos agricultores, sobretudo com a distância para a entrega da safra e a insegurança na comercialização da produção. “A Coamo chegou na hora certa para os agricultores de Guarapuava e região”, comemora Salvadori, que admite que no início estava meio receoso com escolha pela parceria com a cooperativa. “Mas confirmei o que já me diziam os vizinhos e amigos: na Coamo estamos seguros, estamos em casa!”, valoriza.

Com a unidade de Napoleão, o cooperado está ainda mais satisfeito. “Ficou mais fácil e rápido entregar a minha safra. Ganho tempo e economizo no frete”, salienta Salvadori. Antes, ele percorria um trajeto de 50 quilômetros para entregar a safra. Neste ano, o cooperado utilizou a estrutura de Napoleão e economizou em cerca de 40% os seus custos de frete. Sem contar o ganho de tempo e agilidade na colheita. “Todos ganhamos com esse investimento. Assim, a nossa parceria somente se fortalece”, afirma Luiz Salvadori.

O cooperado cultiva um total de 102 alqueires de área. No verão, ele planta soja e milho, em sistema de rotação. E no inverno investe no trigo. Na última safra as produtividades médias de Salvadori foram as seguintes: 145 sacas por alqueire de soja, 411 sacas por alqueire de milho e 108 sacas de trigo por alqueire.

Coamo na fazenda – A redução dos custos com frete e a agilidade na entrega da safra também estão fazendo a diferença para o cooperado Cláudio Marques de Azevedo. Mas esses não são os únicos motivos que estão levando o cooperado a vibrar com a iniciativa da Coamo. Diante da proximidade da unidade com a sua propriedade, Azevedo aproveita para afirmar, em tom de brincadeira: “nem precisei construir armazéns na minha propriedade; a Coamo fez isso por mim”, comemora.

Durante a safra o cooperado tinha que percorrer cerca de 40 quilômetros para entregar a safra. Hoje esse custo caiu em mais de 80%, uma vez a propriedade de Azevedo é praticamente vizinha à unidade de Napoleão. “Foi a melhor coisa que poderia ter acontecido para os agricultores da nossa região. Agora, além de facilidade no acesso aos insumos, novas tecnologias, máquinas e implementos agrícolas e oportunidades de comercialização da produção, temos uma unidade da Coamo praticamente dentro da fazenda”, salienta.

Azevedo administra a Fazenda Galo Vermelho, que é propriedade da sua família há quatro gerações. São 342 alqueires de área, destinados à exploração da agricultura e da pecuária. No verão, o cooperado cultiva soja e milho e no inverno aveia e trigo. As produtividades médias na última safra são de 137 sacas de soja por alqueire e 342 sacas de milho por alqueire. Na pecuária, 400 matrizes nelore são mantidas na fazenda. Elas são utilizadas para produção de bezerros em sistema de cruzamento industrial com touros angus.


Em Napoleão


A unidade de Napoleão possui uma capacidade de 438 mil sacas, sendo dotada de seis silos; quatro moegas, com tombadores para caminhões e carretas; além de dois secadores com 100 toneladas/hora de capacidade. As estruturas estão instaladas em uma área de 18,54 alqueires, sendo que aproximadamente 12 alqueires são de reflorestamento.

Apesar de recém inaugurada, a unidade vai ganhar novos investimentos em breve. Está prevista a construção de mais dois silos com capacidade de 102 mil sacas cada, elevando, assim, a capacidade total de armazenagem para 642 mil sacas.