Agromercado

Safra de verão:
Coamo terá R$ 200 milhões para financiar seus cooperados

Convênio foi assinado no dia 22 de agosto, em Campo Mourão. Recursos serão utilizados para financiar aquisição de insumos dos cooperados para a safra de verão

Os cooperados da Coamo terão à disposição R$ 200 milhões para financiar a aquisição de insumos para a próxima safra de verão. Os recursos estão sendo alocados pelo Banco do Brasil, através da parceria entre a cooperativa e o banco. O convênio foi formalizou no dia 22 de agosto, em Campo Mourão. Na ocasião, também foi assinado um protocolo de intenções para a prestação de serviços e alocação de recursos para a Credicoamo.

O superintendente Comercial do Banco do Brasil, para a Região Sul, Amauri Sebastião Niehues, disse que a assinatura do novo convênio reforça ainda mais a parceria entre o banco, a Coamo e a Credicoamo. “Estamos dobrando o volume de recursos, em relação ao ano passado”, lembrou Niehues, considerando que o Plano Safra brasileiro foi incrementado, neste ano, em 30%, em relação ao volume de recursos disponibilizados no ano anterior. O superintendente aproveitou, ainda, para ressaltar que mais de 60% do total de recursos alocados para o custeio agrícola no país é feita pelo Banco do Brasil. “Somos um grande parceiro do homem do campo, como é a Coamo”, comparou.

Segundo Wilson Marcos Machado, superintendente Regional do Banco do Brasil em Campo Mourão, as agências da região já estão preparadas para acolher as propostas dos cooperados da Coamo. Ele adiantou que os recursos já estão disponíveis. “Esperamos um acréscimo de 20% no volume de propostas em toda a região da Coamo”, salientou Machado, anunciando que os recursos disponíveis para o custeio da safra no Paraná serão de R$ 3,2 bilhões, enquanto que a região de Campo Mourão participa com R$ 500 milhões. Ele orientou que os cooperados da Coamo devem procurar as agências do Banco do Brasil para concretizar as propostas de financiamentos.

O presidente da Coamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, considerou que os convênios assinados com o Banco do Brasil serão fundamentais para o bom desenvolvimento das atividades dos cooperados. “Financiando a aquisição dos insumos com recursos específicos para a área rural, os cooperados têm acesso a uma taxa de juros mais acessível, que as praticadas no mercado. Isso possibilita uma margem maior no resultado final das atividades”, lembrou.


Agroanálises
Comercialização Coamo - 15/09/03


SOJA
No último relatório do dia 11 de setembro o USDA reduziu além das perspectivas do mercado a produção americana, considerando uma quebra em torno de 8,3% com relação ao mês anterior, apresentando 71,9 milhões de toneladas, o que surpreendeu o mercado que esperava um corte menor. Concretizando-se, esse volume será o mais baixo desde 1996/97. No mercado interno o pequeno volume ofertado faz o preço ter sustentação e se o câmbio não atrapalhar, devemos ter bons preços adiante.

MILHO
O relatório do USDA do dia 11 de setembro apresentou um número positivo, frente a perspectiva de quebra que existia para a safra americana, com uma produção de 252.6 milhões de toneladas, que se confirmada será a segunda maior da história do USDA. No mercado interno o produtor continua vendendo em doses homeopáticas o que tem ajudado a dar sustentação nos preços. A preocupação é o grande volume disponível a ser comercializado, para um curto período que temos até a próxima colheita.

CAFÉ
O mercado de café operou em alta no início de setembro com cobertura de posições vendidas por parte dos fundos. Os produtores aproveitaram o momento para vender com um grande volume sendo comercializado, sendo bem provável que as opções de venda com vencimento em setembro não sejam exercidas. Novas altas serão condicionadas à evolução do clima em Minas Gerais, onde a seca pode vir a prejudicar a floração. Caso o clima melhore, a tendência é de volta aos patamares de preços anteriores.

TRIGO
A colheita do trigo no Estado do Paraná está a todo vapor, com a região norte mais adiantada, porém já no início da comercialização estamos nos deparando com uma falta de liquidez muito grande para o produto, atribuída principalmente pelo fato de grande parte das variedades plantadas não apresentarem qualificação adequada para atender o mercado de panificação industrial, além da qualidade desuniforme apresentada, o que está prejudicando ainda mais a sua comercialização, motivo este que já levou alguns moinhos a comprarem trigo argentino (mais caro) em detrimento do nacional. Por outro lado, as cotações para o produto no mercado internacional, é estável em razão da redução da produção principalmente na Europa, cujo estoque de passagem mundial deverá ser um dos mais baixo da história.

ALGODÃO
O mercado internacional continua bastante estável, sem mudanças significativas no último mês, refletindo este mesmo panorama no mercado interno, com poucos volumes ofertados e por outro lado com demanda retraída face às dificuldades de liquidez pelas quais vem atravessando as indústrias de fiação de Norte a Sul do país. Para a próxima safra a expectativa é de aumento na produção nacional, projetando-se hoje um volume de um milhão de toneladas. Para tanto os produtores já estão realizando bons volumes na exportação, aproveitando principalmente o espaço deixado pela Austrália, face à redução da produção naquele país desde o ano passado pelas intensas estiagens sofridas.

 
 

Indicadores Econômicos

VARIAÇÕES mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 Acumulado
Período
Acumulado
12 meses
IGPM (% AO MÊS) 1,53% 0,92% -0,26% -0,26% -0,42% 0,38% 1,13% 21,04%
TR (% AO MÊS) 0,38% 0,42% 0,47% 0,42% 0,40% 0,34% 2,44% 4,48%

DÓLAR
COMERCIAL
(% AO MÊS)

-5,26% -13,82% 2,62% -3,16% 3,26% 0,03% -16,75% -7,55%
TJLP (% AO MÊS) 11,00% 12,00% 12,00% 12,00% 12,00% 12,00%    
SOJA 6,76% 12,92% 7,69% 6,25% 8,06% 11,61% 66,38% 238,19%
MILHO 5,88% 11,61% 3,33% 17,69% 8,33% 10,00% 71,27% 317,29%
ALGODÃO (TIPO 6) 9,89% 0,00% 21,21% 3,13% 0,00% 3,13% 41,66% 128,33%
TRIGO (PH 78) 3,45% 0,00% 0,00% 0,00% 9,80% 3,92% 18,04% 118,28%
 

Poder de Troca mês a mês

MÁQUINAS/INSUMOSXPRODUTOS mar/03 abr/03 mai/03 jun/03 jul/03 ago/03 MÉDIA DO PERÍODO MÉDIA ULT. 12 MESES

TRATOR NEW HOLLAND TM-135 - 125 CV (COMPLETO)
SOJA
3.660
4.566
4.296
4.606
4.651
4.878
4.443
4.443
MILHO
8.000
9.634
9.508
10.742
12.245
12.698
10.471
10.471
ALGODÃO (TIPO 6)
7.330
7.900
7.945
9.354
9.375
9.846
8.625
8.625
TRIGO (PH 78)
4.746
5.267
5.179
5.429
5.607
6.154
5.397
5.397

COLHEITADEIRA NEW HOLLAND TC 57 (completa)
SOJA
7.059
8.237
8.593
8.939
9.302
8.994
8.521
8.521
MILHO
15.429
17.378
19.016
20.848
24.490
23.413
20.096
20.096
ALGODÃO (TIPO 6)
14.136
14.250
15.890
18.154
18.750
18.154
16.556
16.556
TRIGO (PH 78)
9.153
9.500
10.357
10.536
11.215
11.346
10.351
10.351

PLANTADEIRA PSE 8 2S (COM CÂMBIO)
SOJA
1.016
1.102
1.129
1.155
1.182
1.162
1.124
1.124
MILHO
2.220
2.324
2.500
2.694
3.112
3.025
2.646
2.646
ALGODÃO (TIPO 6)
2.034
1.906
2.089
2.346
2.383
2.346
2.184
2.184
TRIGO (PH 78)
1.317
1.271
1.361
1.361
1.425
1.466
1.367
1.367

PULVERIZADOR COLUMBIA MAXTER FLOW
SOJA
692
765
809
864
884
874
815
815
MILHO
1.512
1.614
1.791
2.015
2.328
2.275
1.923
1.923
ALGODÃO (TIPO 6)
 1.386
1.323
1.497
1.755
1.782
1.764
1.584
1.584
TRIGO (PH 78)
897
882
976
1.019
1.066
1.102
990
990

CALCÁRIO
SOJA
1
1
1
1
1
1
1
1
MILHO
3
3
3
3
4
4
3
3
ALGODÃO (TIPO 6)
2
2
3
3
3
3
3
3
TRIGO (PH 78)
2
2
2
2
2
2
2
2

Para cálculo da paridade de produtosXmáquinas e insumos foram utilizados os preços praticados no último dia do mês.