barra Site Coamo barra
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 365 | Setembro de 2007 | Campo Mourão - Paraná

Plantio de Verão

Nova safra começa a sair do papel

Com os insumos já garantidos e as informações da nova safra na mão, foco do cooperado está direcionado para a produção

Plantio direto; rotação de culturas; integração agricultura/pecuária; equipamentos de pulverização mais eficientes; novos métodos de monitoramento e controle; novos produtos, mais eficientes e com menores doses, e mais seletivos. Este é o pano de fundo no atual cenário da agricultura, onde se busca eficiência com racionalização dos recursos. Ações conquistadas com informações, planejamento e dedicação, direcionado o foco não apenas para os resultados, mas para todo o sistema de produção.

“Hoje os agricultores têm acesso à tecnologia e ao conjunto de informações imprescindíveis para a solução dos problemas relacionados com as suas atividades, no campo”, lembra o engenheiro agrônomo Gilberto Guarido, do Departamento de Assistência Técnica da Coamo, em Campo Mourão, região Centro-Oeste do Paraná. Ele afirma que as primeiras lavouras da nova safra de verão já estão saindo do papel. “Neste momento, a maioria dos nossos cooperados já definiu a cultura de sua preferência para a nova safra e estão atentos para não repetir os mesmos erros dos anos anteriores”, reflete, considerando que o agricultor trabalha com o histórico de sua propriedade e, então, conhece as dificuldades, que, em geral, são as mesmas ao longo dos anos. “A longa experiência e os avanços da tecnologia agrícola e dos produtos são grandes aliados dos cooperados no momento de planejar as ações futuras. São ferramentas que podem garantir uma menor margem de erros com a condução das atividades”, orienta Guarido.

Insumos antecipados – Durante o planejamento da nova safra, em parceria com o técnico que assiste a propriedade, o co-operado da Coamo aproveitou as informações geradas com o trabalho do ano anterior. “Ele já sabe, por exemplo, quais produtos foram mais eficientes no campo e, assim, consegue planejar boa parte do que vai utilizar na nova safra”, destaca o agrônomo.

O produtor, segundo ele, quer ter uma garantia de que estes insumos estarão disponíveis para ele no momento em que ele for realizar o plantio. “Para que isto aconteça, a Coamo disponibiliza aos seus cooperados a aquisição antecipada dos insumos, onde o produtor ganha em agilidade e preço”, explica Guarido.

Na prática, o cooperado adquire os créditos e faz a reserva, definindo quais produtos de sua preferência que pretende utilizar. E isto só é possível porque ele tem a opção, no momento do uso, de confirmar aquele produto ou substituí-lo por outro mais eficiente conforme o problema a ser solucionado.

Outras ações – De olho na melhoria da qualidade do solo, a rotação de culturas, dividindo o espaço de plantio entre a soja e o milho, é outro item interessante dentro planejamento do agricultor. O cereal entra no esquema de produção para quebrar ciclo de pragas, doenças e plantas daninhas, independentemente do cenário de preços. “É o enxergar mais longe”, assegura Guarido, afirmando que o agricultor que planeja também faz investimento no solo, corrigindo deficiências com uso de calcário, fósforo e potássio. “Além disto, ele pode investir em adubação de sistema, que inclui o uso de parte dos fertilizantes no inverno, com o intuito de beneficiar as culturas de verão”, acrescenta.

Um bom planejamento também implica em equilibrar os conceitos de investimento e gasto. O co-operado, na avaliação do técnico da Coamo, deve conhecer a importância de avaliar o custo/benefício de cada ação promovida em sua propriedade. E saber quanto custa cada unidade produzida, já que esta, segundo Guarido, é uma condição básica para decidir o momento da venda. “E sempre avaliar os riscos, e mesmo quando for utilizar recursos do crédito rural o produtor deve lançar mão dos seguros disponíveis. Além de garantir preços com contratos antecipados de comercialização, o que também é uma medida saudável para o bom planejador”, finaliza.