barra Site Coamo barra
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 365 | Setembro de 2007 | Campo Mourão - Paraná

Sistema de Produção

Plantio direto na palha

Na safra 73/74, região de Campo Mourão foi uma das pioneiras no país. Hoje, área cultivada no Brasil supera 25 milhões de hectares

O Plantio Direto na Palha surgiu no Brasil no início da década de 70 e o Paraná foi o Estado pioneiro da prática, recebendo o primeiro plantio entre 73/74 na região de Rolândia, no Norte do Estado, pelo produtor Herbert Bartz. Logo em seguida, chegou à região de Campo Mourão, através do cooperado da Coamo Joaquim Peres Montans, que ao lado dos agricultores Ri-cardo Accioly Calderari; Gabriel Borsato; Henrique Salonski e Antonio Álvaro Massaretto, faz parte do grupo dos precursores desta prática na região, considerada uma das pioneiras na implantação desta tecnologia no país.

O sistema possibilitou tornar mais sustentável a produção agrícola, minimizar os custos com insumos e otimizar o aproveitamento da área de plantio. Com o plantio direto, o produtor fecha o cerco contra os principais problemas que degradam o solo e, de quebra, ainda incrementa o sistema de produção, melhorando a produtividade e racionalizando os custos de produção.

O Brasil está entre os maiores usuários do sistema de plantio direto no mundo, que é considerado a maior revolução tecnológica de todos os tempos na agricultura. De uma área de 180 hectares na safra 72/73 o Brasil avançou para uma área superior a 25 milhões de hectares na safra 04/05, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e à frente de Argentina, Canadá e Austrália, que integram o ranking dos cinco países com maior área do sistema no mundo. Os dados são da Federação Brasileira de Plantio Direto na Palha, informando que o Paraná possui 5 milhões de hectares de área cultivada com esta tecnologia, perfazendo cerca de 20% do total implantado no país.

Na região de Campo Mourão, Centro-Oeste do Paraná, o plantio direto foi introduzido praticamente na mesma época do surgimento da Coamo, que realizou um forte trabalho de assistência técnica visando a difusão e a assimilação da novidade por parte dos produtores. “No final da década de 70, já havia cerca de 10 mil hectares de cultivo direto na região de Campo Mourão. A partir dos anos 80 o sistema começou a deslanchar com as primeiras máquinas desenvolvidas especialmente para o plantio direto”, lembra o engenheiro agrônomo Ricardo Accioly Calderari, diretor-secretário da Coamo e um dos pioneiros do sistema na região. Assim, os produtores foram aderindo e as áreas de plantio direto aumentando gradativamente. “Em 1984 nós já tínhamos na região de Campo Mourão cerca de 45% das áreas com plantio direto e hoje com todo o trabalho realizado e consciência dos agricultores, o sistema ocupa praticamente 100% das áreas de cultivo na região da Coamo”, comemora Calderari.

Sem mexer na terra – Após mais de três décadas de sua implantação, o plantio direto continua sendo comemorado pelos agricultores da região de Campo Mourão, safra após safra. Dr. Ricardo Calderari recorda bem daquela época e do início do sistema: “o progresso foi tão grande nas últimas décadas que os agricultores mais novos sequer imaginam como eram os solos e a agricultura na década de 70. Os agricultores tinham duas grandes preocupações: precisavam de chuva, mas quando chovia, às vezes nem era chuva muito forte, as terras eram literalmente ‘lavadas’ e tudo se perdia, incluindo a lavoura e o solo. Se existe agricultura hoje é porque existe esta tecnologia. O plantio direto é na palha e muita palha.”, considera.

O cooperado Joaquim Peres Montans, de Campo Mourão, aponta como vantagens do sistema a tranqüilidade e agilidade no plantio; reserva de umidade no solo; menor custo de produção; maior segurança; germinação uniforme; desenvolvimento das plantas em um mesmo padrão; tolerância ao veranico e, sobretudo a conservação dos solos. Ele mantém firme sua satisfação pelos resultados alcançados  com a implantação pioneira da tecnologia há 34 anos nas suas lavouras.  “O segredo para o sucesso do plantio direto é nunca mexer na terra e ter muita palhada. Esse sistema é um orgulho para nós agricultores que, com aliada as novas tecnologias temos condições de produzir cada vez mais”, destaca.