Site Coamo
Coamo Agroindustrial Cooperativa | Edição 387 | Serembro de 2009 | Campo Mourão - Paraná

Mata Ciliar

100 milhões de mudas plantadas no Paraná

Lideranças políticas e cooperativistas, agricultores e estudantes aproveitam o Dia da Árvore para plantar, em Londrina, a árvore de número 100 milhões

Como parte do Programa Estadual Mata Ciliar, cerca de mil pessoas – entre lideranças, agricultores e estudantes -, participaram, em Londrina, das comemorações do Dia da Árvore (21 de setembro). O evento culminou com o plantio da árvore de número 100 milhões. A muda foi plantada no “Jardim das 100 milhões”, composto por 100 espécies de mudas nativas de todo o Paraná e que formará a primeira coleção de plantas do Jardim Botânico da cidade, com previsão de entrega da primeira fase prevista para novembro. O coordenador regional dos Correios, Areovaldo Alves de Figueiredo, juntamente com o vice-governador Orlando Pessuti e o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, lançou o selo e o carimbo alusivo ao Programa Mata Ciliar. A Coamo esteve representada pelo seu diretor-secretário, Ricardo Accioly Calderari e a Ocepar pelo seu superintendente José Roberto Ricken.

“O Mata Ciliar não é mais um programa de governo. É, sim, de todos os paranaenses que contribuíram para que chegássemos à muda 100 milhões. É um programa inspirado na biodiversidade do nosso Estado e voltado à melhoria da qualidade de vida das futuras gerações”, afirmou o secretário Rasca Rodrigues. Ele aproveitou o evento para homenagear todos os funcionários dos laboratórios e dos viveiros do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), que contribuíram em campo para a coleta das 25 mil toneladas de sementes necessárias todos os anos para o programa, fossem transformadas em mudas qualificadas para o plantio.

RESULTADOS – O Programa Mata Ciliar atua em duas principais vertentes. Uma delas é a re-composição da mata ciliar através do plantio de mudas de espécies nativas e a outra, o abandono de áreas para que a vegetação se recomponha naturalmente. “O abandono de áreas para regeneração natural é tão importante quanto o plantio de mudas, uma vez que a vegetação nativa pode servir como banco de sementes assegurando assim a qualidade genética destas novas florestas”, explica o secretário Rasca.

Hoje, o Mata Ciliar é considerado referência mundial em reflorestamento, graças ao envolvimento e mobilização da sociedade paranaense. Com o apoio de mais de 300 parceiros e cooperativas, e 399 prefeituras garantiu-se resultados como, por exemplo, a semeadura no campo de 4,1 mil hectares de novas mudas, 4,9 mil quilômetros de cercas instaladas, 13,4 mil hectares de áreas abandonadas para regeneração natural e 132,4 mil agricultores beneficiados em todo o Estado. Já o índice de sobrevivência das mudas em campo é de 55% e foi obtido através de vistorias de 58 áreas totalizando 158.000 mudas.

O Programa também contabiliza o carbono sequestrado pelo plantio das árvores, que até agora já soma 1.404.364 mil toneladas de carbono. Além disso, o Programa mantém um Projeto de Neutralização do carbono emitido pela Convenção da Diversidade Biológica – entidade da Organização das Nações Unidas (ONU). Ao todo, 58 propriedades integram a ação com o plantio de 163.727 mil mudas de espécies nativas e 118,165 hectares de reflorestamentos. O índice de sobrevivência das mudas é de 98% e o resgate de carbono de 2,85 toneladas ao ano. (Com informações da Assessoria de Comunicação Social do Governo do Estado do Paraná)